Esta operação "pode destabilizar a região, exacerbar a crise humanitária e minar o progresso feito na luta contra o grupo radical Estado Islâmico", afirmou Dominic Raab em comunicado.

No mesmo comunicado, Londres assegura que o Reino Unido "não apoiará projetos de repatriamento [de refugiados sírios] enquanto não houver condições para um retorno voluntário e seguro".

Também a Arábia Saudita condenou "a agressão do exército turco lançada no nordeste da Síria", segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Para Riade, a ofensiva turca corre o risco de assumir "repercussões negativas na segurança e estabilidade da região", além de "minar os esforços internacionais contra o grupo terroristas Estado Islâmico", refere o ministério na rede social Twitter.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas agendou uma reunião de emergência para quinta-feira, após o Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, ter hoje anunciado o início da operação militar na Síria.

A decisão da Turquia ocorre depois de os Estados Unidos da América anunciarem a retirada das suas tropas da Síria, onde até agora haviam apoiado a milícia curda das Unidades de Proteção Popular (YPG), que dominam o nordeste sírio e desempenharam um papel crucial na derrota militar do Estado Islâmico.

A milícia curda é apoiada pelos países ocidentais, mas considerada terrorista por Ancara.

A intervenção turca no nordeste da Síria é vista com grande preocupação por países europeus como França, Itália ou Alemanha, que nos últimos dias alertaram para as consequências humanitárias que daí podem resultar.

ARA (JZG/EL) // SR

Lusa/Fim

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.