Chamam-se yng Sharks e são o novo clube português de e-sports (jogos digitais). A YoungNetwork Group, um dos investidores que detêm o clube, explica que esta é “a primeira organização com estrutura profissional do setor no nosso país”, apesar de existirem outros clubes ativos em Portugal.

O objetivo da YoungNetwork Group é “elevar o padrão dos eSports em Portugal”, apostando, por isso, no financiamento desta modalidade. Para além disso, a agência de comunicação portuguesa quer também ter “equipas que possam discutir os primeiros lugares em Portugal, mas sobretudo ser competitiva além-fronteiras, a começar por Espanha”.

Um dos objetivos do yng Sharks é entrar nos torneios internacionais. Em Portugal, o clube quer disputar todas as principais competições, como a Superliga, promovida pela Bitzer, que é o primeiro campeonato nacional de eSports, com mais de 20 mil euros em prémios.

O clube está a ser trabalhado pela Bitzer, a primeira agência de eSports em Portugal e que “tem previsto agenciar várias outras equipas no mercado nacional já neste trimestre”, pode ler-se em comunicado.

O brasileiro Hélder Sancho é o treinador principal da equipa de Counter-Strike: Global Offensive do clube português. Sancho, ou coachi, como também é conhecido, liderou os defining stars ao topo, em 2007, depois de ganhar todas as competições nacionais. Coachi ganhou fama no k1ck eSports Club, equipa nacional que obteve as melhores classificações portuguesas de sempre nas competições internacionais.

Coachi nasceu no Rio de Janeiro e regressa agora ao mundo dos eSports depois de uma pausa que dura desde 2014. “Há algum tempo que planeava voltar ao mundo do eSports”, diz Hélder Sancho.

A braçadeira de capitão vai para nak, paulista de 29 anos. O brasileiro começou a jogar em 2001 e conseguiu resultados importantes internacionalmente, tendo já representado diversas equipas de eSports, dos Estados Unidos à Suécia.

Renato Nakano diz estar “muito feliz por fazer parte dos yng Sharks”. E elogia a estrutura do clube português: “só conseguiríamos ir para a Europa com o lineup [equipa] que escolhemos graças à estrutura que têm montada com tudo o que precisarmos para alcançar nossas metas”.

Os restantes membros do lineup são leo_drunky (Leonardo Oliveira), GW (Wesley Nunes) e exit (Raphael Lacerda). O facto de a equipa de CS:GO do yng Sharks ser constituída só por brasileiros tem gerado algumas críticas nas redes sociais.

Quanto vale a indústria?

Globalmente, em 2016, a indústria dos e-sports valeu uma receita de 892,8 (763 milhões de euros) milhões de dólares, segundo dados da SuperData, empresa dedicada ao estudo deste mercado. Este número é “resultado de mais marcas e anunciantes a entrar no mercado”, explica o relatório.

Os entusiastas por eSports gastaram, no ano passado, 231 milhões de dólares (197 milhões de euros) em bilhetes, merchandising e contribuições para os prémios, um crescimento de 36% face ao ano anterior. Este consumo direto representa um quarto das receitas dos eSports. As audiências “são predominantemente masculinas (85%), com quase metade a ter entre os 18 e os 25 anos (45%). No ano passado atingiram os 213,8 milhões de pessoas e deverão crescer, até 2019, para os 303 milhões. A Ásia lidera atualmente o mercado dos eSports, seguindo-se a América do Norte e a Europa.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.