Luís Filipe Vieira vai passar a noite de hoje no Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, em Moscavide, sendo esta quinta-feira transferido para o Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), onde será apresentado ao juiz Carlos Alexandre, que está a liderar o processo, para o primeiro interrogatório judicial, com vista à aplicação de medidas coação.

O seu advogado, Magalhães e Silva, admitiu aos jornalistas esta quarta-feira à saída do esquadrada da PSP que vai recorrer, se for caso disso, da decisão do juiz.

"Em tese, são pressupostos que podem ir nesse sentido [de Luís Filipe Vieira ficar em prisão preventiva]. Se é isso que o Ministério Público vai fazer ou não, é uma confidência processual que o Ministério Público pode fazer, [mas] eu não", explicou.

"O que eu conheço foi aquilo que fundamentou em termos de facto o mandato de busca e a detenção. E isso será conhecido logo que o Ministério Público entenda que o processo já não esteja em segredo de justiça. Aquilo que eu admito é que essa descrição de factos tem alguma gravidade. Se a suspeita da prática desses factos tal como estão descritos é efetivamente uma realidade, neste momento não sei responder", alongou.

Magalhães e Silva voltou depois a repetir que o seu cliente está "sereno" perante os acontecimentos que conduziram à sua detenção. "Se está [ansioso], e é natural que esteja, não se nota", assegurou

Questionado sobre as declarações de Vieira na comissão de inquérito ao Novo Banco, no âmbito das audições que os deputados fizeram aos grandes devedores, Magalhães e Silva diz que "na sua leitura", não vê "rigorosamente nada" de prejudicial para o presidente encarnado.

O advogado já tinha estado com Luís Filipe Vieira "de manhã", no decorrer das buscas da Polícia Judiciária, e "ao princípio da tarde", e assumiu que os causídicos "nunca são apanhados de surpresa" quando exercem estas funções.

"Sempre se poderão passar coisas deste tipo e estamos preparados para acompanhar as pessoas quanto têm este tipo de incómodos", afirmou.

O presidente do Benfica e empresário Luis Filipe Vieira foi hoje detido numa investigação que envolve negócios e financiamentos superiores a 100 milhões de euros com prejuízos para o Estado.

Uma nota do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) indica que foram detidos um dirigente desportivo, dois empresários e um agente do futebol e realizados cerca de 45 mandados de busca a sociedades, residências, escritórios de advogados e uma instituição bancária, em Lisboa, Torres Vedras e Braga.

No comunicado do DCIAP, é indicado que os detidos são suspeitos de estarem envolvidos em "negócios e financiamentos em montante total superior a 100 milhões de euros, que poderão ter acarretado elevados prejuízos para o Estado e para algumas das sociedades".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.