No artigo de opinião no jornal da Madeira JM intitulado "Novo Rumo para o PSD nacional", Alberto João Jardim avisou: "O PSD nacional tem de mudar. E já! E estar quotidianamente na luta política".

"Neste momento condeno o sentimentalismo de o PSD ter confundido 'patriotismo' com o 'não fazer ondas' nesta época de crise. Quando precisamente é necessária uma oposição efetiva, a tempo de corrigir os muitos erros, a tempo de acautelar a correta resolução dos problemas gravíssimos que aí vêm, a tempo de reformar o sistema político", acrescentou.

Para o antigo governante madeirense e ex-presidente do PSD/Madeira, "erradamente, tem-se abandonado à extrema-direita o monopólio da contestação do sistema, apesar de já no Congresso Nacional de Viana do Castelo se perceber que Costa, 'bonzo' dos 'interesses' situacionistas e de apetite hidrófito pelo poder, nada mudaria.

"Porventura ambiciona ser um Nicolas Maduro à europeia, veja-se agora a ocupação de propriedade privada em Odemira", sustentou.

Alberto João Jardim recordou que já no Congresso Nacional do PSD em Viana do Castelo, "se conhecia o programa do Governo Costa, que afirmava taxativamente recusar qualquer reforma estruturante" e que "se constatava situações de clara falta de educação e de desconsideração do PSD por parte de António Costa, um indivíduo que é forte com os fracos e só pode ser posto em sentido por uma oposição forte".

"Em Viana, apesar de eu ter insistido que a agenda política fosse a do PSD, e não a de Costa e a do Presidente da República, deram palmas, mas 'foram na onda'. Pior. Vejo os mesmo grupos que estiveram na ascensão de Passos Coelho, de novo mexerem-se para o regresso das "sociedades secretas", do "genocídio social" e da subserviência internacional. Estão, cada vez mais, a envolver decisores nacionais, regionais e autárquicos dos sociais-democratas!?", alertou.

"Denunciar a propaganda socialista nas redes de comunicação social, onde tem as rédeas dos subsídios para as respetivas sobrevivências" e "defender a classe média com garra", bem como os pequenos e médios empresários e todos os que trabalham, numa oposição forte ao sistema de impostos asfixiante que, pela estatização, quer fazer de Portugal a Venezuela da Europa", são alguns caminhos traçados pelo governante português que mais tempo esteve no poder.

Albero João Jardim ainda defendeu que fosse dada "prioridade a tudo o que leve à criação de emprego" e a "desmontar as mentiras de Costa, demonstrando que 'direita' não é o PSD, mas são todos os totalitarismos a que aquele se alia ou promove".

"Exorto todos os sociais-democratas portugueses a não estarem rotineiramente à espera das eleições autárquicas, para então se mexerem. Acordem!", avisou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.