Numa entrevista publicada hoje no diário Suddeutsche Zeitung, o social-democrata Olaf Scholz, indicou que a nova coligação governamental alemã deu um “passo importante” ao admitir que, com a saída do Reino Unido da UE (“Brexit”), terá de desembolsar mais dinheiro.

“Até agora, muitas das discussões sobre a UE esbarravam com a declaração de que a Alemanha não queria pagar, mas, depois, acabava por pagar. Esse comportamento contraditório trouxe o ceticismo de muitos cidadãos em relação ao projeto europeu. Por isso, é importante esclarecer as coisas”, sublinhou Scholz.

Porém, o governante sublinhou que a Alemanha não está disposta a acudir a todas as emergências ou problemas que advirão com a saída do Reino Unido, defendendo que os outros Estados membros também terão de dar a sua contribuição.

“Não queremos nem podemos pagar por todos”, referiu Scholz, sublinhando que, nesse aspeto, não se diferenciará muito do seu antecessor, o conservador Wolfgang Schauble, conhecido por defender a austeridade na Europa.

“Um ministro das Finanças alemão é, antes de mais, o ministro da Defesa alemão”, frisou.

Scholz não adiantou quanto será a contribuição adicional da Alemanha, optando por lembrar que o importante é que o dinheiro “traga benefícios claros”.

“Há algumas áreas em que a Europa terá de ter maior capacidade de ação, como nas políticas externa, segurança e defesa das fronteiras, bem como em garantir a segurança bancária, a moeda comum e os mercados financeiros”, avisou.

Scholz adiantou, por outro lado, que a Alemanha continuará a insistir na criação, na Europa, de um imposto às transações europeias, cuja receita deverá destinar-se ao orçamento dos “28”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.