Luísa Salgueiro disse-o em reação ao anúncio hoje pela ministra da Administração Interna, Francisca Van Dunem, de que os eleitores que se encontrem em isolamento, devido à covid-19, poderão ir votar.

“Mesas de votos dedicadas ou circuitos dedicados serão possíveis se houver essa orientação”, respondeu a também presidente da Câmara de Matosinhos, sublinhando, contudo, não ser da competência das autarquias “tomar essas decisões”.

E prosseguiu: “aguardamos por decisões, se for essa a decisão trataremos de as montar, mas há sempre uma dificuldade porque já sabemos o número de assembleias de voto, há inscrições já feitas para as mesas de voto, pelo que [a ser assim] teremos de reorganizar a participação das pessoas que se inscreveram nas assembleias de voto”.

Informando não ter, à hora em que falou à comunicação social, a “ANMP informação sobre a orientação de horário, seja ao final da tarde ou não”, preferiu aguardar pelo próximo Conselho de Ministros.

Ainda assim, reiterou Luísa Salgueiro, “vai ser necessário garantir todas as condições de segurança nas assembleias de voto para que quem está infetado, ou não, possa dirigir-se à mesa de voto”.

A líder da ANMP revelou “haver bolsas de pessoas ainda disponíveis” para participar no ato eleitoral e apelou aos inscritos para que “mantenham” a vontade de comparecer.

“Estamo-nos a preparar, agora com mais informação, e vamos ter mais preocupação com os equipamentos de proteção individual, vai ser necessário ter mais pessoas no interior dos espaços para garantir que não haja concentração de pessoas e que haja o afastamento de quem está na fila”, elencou em razão da novidade hoje anunciada pelo Governo.

Novamente questionada sobre o facto de a hora avançada para as pessoas em isolamento poderem votar ser entre as 18:00 e as 19:00, Luísa Salgueiro respondeu que, se for essa a decisão do Governo, a ANMP trabalhará “para ter um reforço das equipas e prevenção, mais equipamentos e desinfeção a essa hora para que todos os que queiram votar tenham condições para o fazer”.

Os eleitores que se encontrem em isolamento devido à covid-19 podem sair de casa para votar no dia 30 de janeiro, anunciou hoje a ministra da Administração Interna, adiantando que o Governo recomendará uma hora específica.

"O período mais adequado será, provavelmente, a última hora, entre as seis (da tarde) e as sete", declarou Van Dunem.

Anafre diz que voto de confinados não altera preparativos já em curso

A Associação Nacional de Freguesias (Anafre) considerou que a recomendação de um horário para votação dos confinados devido à covid-19 nas eleições legislativas não vai alterar os preparativos já em curso, apelando à responsabilidade individual dos eleitores.

“O que estava, neste momento, já previsto executar, ou planificado, dificilmente irá ser alterado, porque nós já temos previstas as maiores cautelas em termos de as pessoas não se cruzarem nos corredores das escolas ou edifícios onde vai ser efetuada a votação, exigir a todos o uso da máscara obrigatório e tentar que todos desinfetem as mãos e tenham uma esferográfica própria”, afirmou à Lusa o presidente da Anafre, Jorge Veloso, salientando que os membros das mesas são pessoas habituadas à realização de atos eleitorais, alguns durante a pandemia.

Jorge Veloso sublinhou que as condições de segurança em que deve decorrer o ato eleitoral no dia 30, desde as 08:00 da manhã, não serão alteradas para a votação de pessoas em confinamento devido à covid-19 numa hora específica.

“As condições de votar não se podem alterar naquela altura. Temos poucas hipóteses disso. […] As condições têm de estar garantidas quer para os confinados, quer para os outros”, acrescentou.

Para o autarca, a segurança no ato da votação também “é da responsabilidade de cada um”.

“Cada um tem de ser muito responsável pelo que vai fazer no dia 30. Não só no [ato de] votar, mas também na responsabilidade civil de se comportar como deve ser, respeitando as normas”, sublinhou.

Jorge Veloso lembrou ainda que quem está em confinamento ainda pode inscrever-se na modalidade de voto em confinamento até domingo, pedindo a recolha de voto no domicílio por equipas do município.

Segundo o portal do eleitor, quem está confinado devido à covid-19 pode requerer, entre 20 e 23 de janeiro, em https://www.portaldoeleitor.pt, o voto antecipado, caso o confinamento lhe tenha sido decretado até ao dia 22 de janeiro por uma autoridade de saúde.

Os votos destes eleitores serão recolhidos entre 25 e 26 de janeiro pelo presidente da Câmara Municipal respetiva, ou seu representante, na morada onde se encontra em confinamento.

Os restantes eleitores podem também solicitar até quinta-feira, no mesmo portal, o voto antecipado ou em mobilidade, votando este domingo presencialmente na secção de voto escolhida.

 

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.