“Confirmo a entrega do pedido de recusa do juiz Carlos Alexandre”, disse à agência Lusa João Medeiros, advogado do presidente da EDP António Mexia e do responsável máximo da EDP Renováveis João Manso Neto.

Com este incidente de recusa do juiz, no qual a defesa coloca em causa a imparcialidade do magistrado, ficam sem efeito as inquirições de António Mexia e João Manso Neto e também de João Conceição, administrador da REN e ex-assessor do antigo ministro Manuel Pinho, agendadas para a próxima semana.

O pedido de afastamento de Carlos Alexandre será agora apreciado pelo Tribunal da Relação de Lisboa.

O processo das rendas excessivas da EDP está há cerca de oito anos em investigação no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

O inquérito investiga os procedimentos relativos à introdução no setor elétrico nacional dos Custos para Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC) tendo António Mexia e João Manso Neto sido constituídos arguidos em junho de 2017 por suspeitas de corrupção ativa e participação económica em negócio.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.