"Roscosmos não considera necessário adiar o regresso da tripulação da expedição 62 à Terra", disse um porta-voz da empresa espacial russa à agência de notícias espanhola EFE.

O Cazaquistão impôs uma série de restrições relacionadas com a quarentena para conter a propagação da covid-19 e a maioria das aterragens de naves espaciais russas é realizada em Baikonur, na estepe do Cazaquistão.

"A Roscosmos está em contacto com os colegas cazaques e está a estudar alternativas para resolver esses problemas", disse a fonte.

O regresso da tripulação da ISS 62 à Terra está previsto para 17 de abril.

A aterragem é habitualmente assistida por especialistas russos, o que pode ser dificultado devido às medidas aplicadas pelo Cazaquistão e pela própria Rússia devido à pandemia.

Na ISS estão o cosmonauta russo Oleg Skrípochka e os astronautas da agência espacial americana NASA, Andrew Morgan e Jessica Meir.

A próxima expedição, composta pelos cosmonautas Anatoli Invanishin e Ivan Vagner e astronauta da NASA Chrisr Cassidy, está programada para 09 de abril.

O Centro de Preparação de Cosmonautas (CPC) vai aplicar rigorosas medidas preventivas para proteger a tripulação que viajará para a ISS a bordo do Soyuz MS-17.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.