No relatório anual global sobre a água, a organização sem fins lucrativos CDP (Disclosure Inside Action) afirma que as empresas estão a consumir mais água, apesar de uma maior consciência dos riscos associados à exploração dos recursos hídricos.

Uma nova análise divulgada a propósito do Dia Mundial da Água demonstrou um aumento de 49% nas empresas que relataram um elevado consumo de água entre 2015-2018, apesar de “observarem maiores riscos hídricos para os seus negócios e reportarem perdas financeiras próximas dos 40 mil milhões de dólares, devido à água em 2018.”

Menos de um terço (31%) das empresas em setores de grande impacto tem incentivos relacionados com o uso da água.

As empresas reportaram 38 mil milhões de perdas financeiras relacionadas com a água em 2018.

O retalho é o setor menos transparente, superando pela primeira vez os combustíveis fósseis.

Conclui-se que o número de empresas que identifica riscos hídricos está a aumentar de ano para ano, com 75% a reportarem atualmente a exposição a riscos substanciais, contra 70% em 2015.

A maioria dos riscos identificados são físicos (76%), relacionados com a escassez de água e o declínio da qualidade.

“As empresas reportaram que estes riscos podem perturbar a produção, causar danos à marca e levar à perda da licença para trabalhar em determinadas regiões”, lê-se no relatório.

Apesar da grande consciência dos riscos, e do número de empresas a definirem metas para reduzir o dobro do consumo de água, registou-se um aumento de quase 50% no número de companhias a reportarem elevados consumos no mesmo período (2015 – 2018).

Esta tendência é mais notória nas empresas que operam na Ásia e na América Latina, bem como nos setores da alimentação, bebidas e agricultura, indústria e extração mineral.

“Com a indústria a responder por 19% das captações mundiais de água e mais 70% oriundos de redes de fornecimento agrícolas, as empresas têm um papel enorme a desempenhar no cumprimento da meta global da água”, referem os autores do estudo.

“Com três em cada quatro empregos a dependerem normalmente de um fornecimento estável de água, e as empresas a reportarem perdas de 38 mil milhões de dólares, relacionadas com a água em 2018, há um imperativo económico de agir”, defende a organização no comunicado que acompanha o estudo.

Apesar da escala do desafio – refere a CDP– apenas 31% das companhias analisadas mostraram progressos suficientes para fazer um “ranking de segurança da água” relativo a 2018. Destas, 11 têm sede na Europa, 10 na Ásia e oito nos Estados Unidos.

Entre as que atingiram o estatuto de liderança incluem-se a AstraZeneca, Diageo, L´Oréal e Microsoft, de acordo com o relatório.

Para alcançarem esta posição, as empresas têm não apenas de mostrar que avaliam regularmente a sua exposição ao risco, mas também demonstrar que adotaram uma estratégia responsável para responder a esse risco.

A CDP apresenta-se como uma organização internacional não governamental que conduz empresas e governos a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, a proteger os recursos hídricos e as florestas.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.