Os sindicatos começaram esta quarta-feira a ronda negocial com o Ministério da Educação (ME) para rever o regime de concurso de colocação de professores.

Segundo as estruturas que se reuniram com o ME, o Governo propôs uma vinculação extraordinária para os professores com 20 anos de serviço, e a manutenção da norma-travão, mas com alterações.

Em comunicado, a Plataforma CUT (“Concurso Único para Todos”) “lamenta que esta equipa ministerial insista, uma vez mais, na intenção de proceder à vinculação extraordinária de docentes sem recurso à graduação profissional como critério único de ordenação, impondo requisitos absurdos que deixam de fora da vinculação milhares de professores”.

Na nota, intitulada “O inferno existe mesmo”, a Plataforma CUT considera que a proposta “revela a fraqueza da vontade do Governo de pôr termo efetivo à precariedade docente, desconsiderando, de forma reiterada e grave, o direito legal e o ilustre serviço público de educação que os professores contratados diariamente levam a cabo”.

“A perversa, incompreensível, injusta e injustificada manutenção do mecanismo de ‘renovação de contrato’ perpetua a arbitrariedade e a discriminação no acesso ao emprego público em funções docentes em Portugal, na medida em que, na fase de concurso, não é público se o candidato concorre a um lugar de contrato anual ou plurianual”, consideram os professores.

A plataforma critica a exigência de um requisito de 7.300 dias de serviço, o que diz representar, em muitos casos, “mais de 30 anos de trabalho docente”, defendendo que o requisito único de vinculação deveria ser 1.095 dias de serviço letivo, uma medida que seria “razoável, de tardia justiça, mas de elementar honestidade política”.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.