Em resposta escrita a um pedido de esclarecimento enviado pela agência Lusa, o ICNF afastou a hipótese de um ataque de lobos, quer pelos "ferimentos" que o gado caprino apresentava, quer por "outros indícios" recolhidos no local, por uma equipa de “vigilantes da natureza".

"Os ferimentos, bem como outros indícios existentes, não são compatíveis com um ataque por parte de lobos. Tudo aponta para que a causa destas mortes esteja relacionada com um ataque de cães assilvestrados", sustenta o ICNF.

A "corroborar" aquela "convicção", acrescenta o instituto público, "há notícia de outros ataques semelhantes que ocorreram na região, nos quais algumas testemunhas oculares relataram terem visto cães a atacarem rebanhos".

Por não estar relacionada com ataques de lobos, os proprietários da exploração agrícola na aldeia de Santa Maria de Geraz do Lima, Viana do Castelo, não terão direito a indemnização.

"O ICNF continua a acompanhar estas ocorrências e a diligenciar no sentido de investigar as causas dos ataques de animais selvagens a rebanhos, promovendo a indemnização dos proprietários sempre que se apura que a causa da morte está relacionada com ataques de lobos, o que neste caso não ocorreu", reforça a nota enviada à Lusa.

A morte de dezassete cabras ocorreu na noite de sexta-feira para sábado. Os militares do posto da GNR de Lanheses deslocaram-se ao local e tomaram conta da ocorrência.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.