A explosão aconteceu pouco antes das 07:00 (3:30 em Lisboa) numa rua no Distrito Policial 3, no oeste da capital afegã, disse à agência Efe a porta-voz do Ministério do Interior, Najib Danish.

Este ataque foi um dos mais graves das últimas semanas em Cabul. Mais de 1.700 civis perderam a vida este ano no Afeganistão.

Foi montado um perímetro de segurança no local da explosão, que visava membros do Governo, escreve a Reuters.

Apesar de o local onde a explosão aconteceu estar próximo de uma área residencial onde vivem dirigentes do Governo afegão, o atentado afetou sobretudo lojas e estabelecimentos situados dos dois lados da rua.

"Estava na minha loja quando subitamente ouvi um som terrível e os vidros das janelas estilhaçaram", contou Ali Ahmed.

A explosão destruiu um pequeno autocarro, propriedade do ministro das Minas, assim como três veículos de civis e 15 lojas, informou o ministro do Interior afegão.

Até agora o ataque não foi reivindicado por nenhum grupo armado.

Cabul tem sido palco de graves atentados nos últimos meses, incluindo o do passado 31 de maio com um camião carregado com explosivos, em que morreram 150 pessoas e mais de 300 ficaram feridas, tornando-se no mais sangrento ataque desde o início da invasão norte-americana no Afeganistão em 2001.

A missão da ONU no Afeganistão anunciou na semana passada que o conflito marcou um novo recorde de mortes de civis, com 1.662 mortos nos primeiros seis meses do ano, mais 2% que em 2016, incluindo um aumento nas mortes de crianças e mulheres de 9% e 23%, respetivamente.

Desde janeiro de 2009, quando a ONU começou a contabilizar as vítimas civis do conflito afegão, foram registados 26.500 mortos e 49.000 feridos.

(Notícia atualizada às 09h46)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.