Em comunicado, Domingos Bragança lembra que se trata de uma empresa financiada pelo Estado “e que deveria assumir o papel de servir o país, evitando qualquer tipo de assimetrias bem evidente nesta estratégia de retoma da atividade, em claro prejuízo da população do norte”.

O plano de retoma das operações da TAP foi conhecido na segunda-feira e prevê 27 voos semanais até ao final de junho e 247 no mês seguinte, sendo a maioria de Lisboa.

A companhia aérea já tem a informação disponível no seu 'site', avisando que as rotas podem vir a ser alteradas caso as circunstâncias o exijam.

O autarca de Guimarães vinca que o plano “prevê apenas dois destinos internacionais (Paris e Luxemburgo) a partir do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no norte do país, “juntando ainda ligações a Lisboa e ao Funchal”.

“Numa altura em que o país está a realizar um enorme esforço no âmbito da retoma económica, e considerando a região Norte como o principal motor da economia, esta medida restritiva da TAP não se coaduna com o esforço das entidades, organizações, empresas e até do próprio Governo, pelas medidas completamente desajustadas num serviço essencial pela ligação à rota internacional”, considera Domingos Bragança.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.