“Sabemos que é uma batalha muito exigente, porque exigentes são os nossos objetivos eleitorais, mas é uma batalha que queremos e podemos vencer, com o empenhamento, a determinação de cada um de nós, dos apoiantes, ativistas e eleitos da CDU, no esclarecimento e mobilização para o voto no dia 26 de setembro”, afirmou Jerónimo de Sousa na noite de terça-feira.

O dirigente comunista discursava na Marinha Grande, distrito de Leiria, numa sessão pública denominada “Futuro de confiança, trabalho, honestidade e competência”, na qual foram apresentados os candidatos da Coligação Democrática Unitária (CDU) aos órgãos autárquicos do concelho.

Dirigindo uma saudação aos eleitos e candidatos da coligação, Jerónimo de Sousa saudou particularmente os “muitos milhares de independentes que, neste concelho, neste distrito e no país – cerca de 15 mil candidatos - abraçam este projeto” e que “traduzem bem a abertura da CDU para se constituir como espaço de ação convergente e de cooperação de numerosos cidadãos sem partido”.

“Não erraremos se afirmarmos que na CDU, nas suas listas, há muito mais independentes do que nas falsamente designadas listas de independentes que, na sua generalidade, são o refúgio de projetos pouco transparentes, de interesses económicos ou meras ambições pessoais”, declarou.

Jerónimo de Sousa realçou “o êxito político que constitui a apresentação das candidaturas da CDU a todos os municípios do Continente, da Região Autónoma da Madeira e a 16 dos 19 municípios da Região Autónoma dos Açores, envolvendo cerca de 40 mil candidatos, e que confirmam a CDU como uma grande força política nacional, com incontestável presença na vida local e com uma importante intervenção nos problemas das populações”.

O secretário-geral do PCP manifestou “a confiança de quem tem um passado de realização nas autarquias e um projeto alternativo de esquerda no Poder Local que não deixam dúvidas quanto ao sentido e rumo” na defesa do interesse público e das populações.

“E esta afirmação é tão mais evidente quando se olha em redor, para o conjunto dos concelhos desta região e não se distinguem, na sua gestão e nas suas políticas, os concelhos de maioria PS e dos concelhos de maioria PSD, pese o esforço do PS de se colocar à esquerda em palavras, para iludir as suas verdadeiras opções e orientações”, observou.

Segundo Jerónimo de Sousa, a confiança é também “de quem tem candidatos com experiência, capacidade de realização e provas dadas na defesa dos interesses das populações”.

“Sim, temos candidatos, gente séria e dedicada e temos um projeto distintivo – o reconhecido projeto da CDU -, assente no trabalho, na honestidade e na competência, como solução e força alternativa quer a PS, quer a PSD e CDS e seus sucedâneos, ou em relação ao BE”, prosseguiu.

Jerónimo de Sousa alertou ainda que “as próximas eleições autárquicas constituem uma batalha política de grande importância pelo que representam no plano local, mas também pelo que podem contribuir no plano nacional para melhor defender os interesses dos trabalhadores e do povo”.

Na sessão, discursou também a cabeça de lista da CDU, coligação que junta PCP e Partido Ecologista “Os Verdes”, à Câmara da Marinha Grande nas eleições autárquicas, Alexandra Dengucho.

A Câmara da Marinha Grande é liderada desde 2009 pelo PS. Nas autárquicas de 2017, os socialistas alcançaram três mandatos. A CDU e o grupo de cidadãos Movimento pela Marinha (MpM) dividem os restantes quatro lugares na vereação.

Os outros candidatos são a atual presidente da Câmara, Cidália Ferreira (PS), Pedro Luzio (BE), Pedro Amorim (CDS-PP), Ezequiel Murteira (Chega) e os vereadores Aurélio Ferreira (+MpM, que integra os movimentos MpM e +Concelho) e Carlos Caetano (PSD).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.