Em comunicado, a Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta (MUBI) recordou que o Governo continua sem responder às recomendações determinadas pela Assembleia da República, há cerca de um ano e meio, que davam conta da adoção de medidas de redução do risco rodoviário sobre os utilizadores vulneráveis.

De acordo com a MUBI, as recomendações visavam a criação de um grupo de trabalho interministerial, o reforço de ações de educação e sensibilização para a cidadania rodoviária e proteção dos utentes, intensificação da fiscalização rodoviária de comportamentos perigosos e a colaboração com os municípios para a criação de mais zonas de velocidades reduzidas nas cidades portuguesas.

Portugal tem dos piores índices da Europa de sinistralidade rodoviária dentro das localidades, de acordo com a MUBI. "Continua a existir por parte das autarquias portuguesas uma enorme falta de vontade política em desencorajar o uso do carro nas cidades, em reduzir as velocidades dos veículos motorizados, em inverter a usurpação do espaço urbano pelo automóvel e distribuí-lo mais equitativamente, e em dignificar e proteger os utilizadores mais vulneráveis do espaço público", denunciam.

No apelo cívico, com o nome “Basta de atropelamentos 2020”, a MUBI referiu também que a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) continua “submergida no paradigma obsoleto da dependência da utilização excessiva do automóvel”.

Segundo a associação, a ANSR tem insistido em campanhas de culpabilização das vítimas e em não querer combater o risco rodoviário com a excessiva utilização do transporte motorizado individual e os comportamentos perigosos na condução.

Também a Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB) considerou que o Governo não pode “ignorar o que está a acontecer”, alertando que “continuam a morrer pessoas” nas estradas.

“Não só consideramos que o Governo pode agir, tomando medidas de segurança rodoviária e campanhas de informação e sensibilização conjugadas com uma fiscalização apertada ao cumprimento do Código da Estrada, como também os próprios municípios podem e devem investir em infraestruturas seguras, em paralelo com medidas de acalmia de tráfego, sempre que se justifiquem”, indicou.

Constatando comportamentos de risco nas estradas, a FPCUB apela à consciência cívica e alerta para que sejam tomadas medidas humanistas.

“A acalmia de tráfego é urgente, quer nas cidades, quer fora delas, tal como a fiscalização das velocidades praticadas. Mas acima de tudo necessitamos de consciencializar que a velocidade mata […]”, anotou.

Na quinta-feira, cerca de duas dezenas de organizações, movimentos cívicos e coletivos de utilizadores de bicicletas participam numa vigília, pelas 19:00, no Campo Grande, junto ao edifício da Câmara Municipal de Lisboa, onde foi atropelada um jovem de 16 anos, na semana passada, enquanto se deslocava de bicicleta.

Segundo a FPCUB, estão ainda marcadas para a mesma hora vigílias em Aveiro, Braga, Évora, Faro, Guarda, Lisboa, Porto e Santarém.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.