“Esta decisão corajosa dos chefes de equipa merece toda a nossa solidariedade. As suas reivindicações são justas e é urgente reverter a espiral negativa que se tem registado neste hospital, mas também em várias unidades do Serviço Nacional de Saúde, com impacto na qualidade da medicina e na segurança dos doentes”, explica o bastonário da Ordem dos Médicos, e comunicado.

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) anunciou na segunda-feira que uma dezena de chefes de equipa de Urgência do Hospital de Braga se tinham demitido, em protesto contra a falta de condições de trabalho e o “desinvestimento” no Serviço Nacional de Saúde.

Na nota hoje divulgada, o bastonário anuncia ainda que a Ordem dos Médicos fará brevemente uma visita ao Hospital de Braga “para se inteirar melhor das várias situações que levaram a esta decisão limite e das medidas prementes que é urgente implementar”.

Contactada pela Lusa, a administração do hospital disse que o Serviço de Urgência “mantém o normal funcionamento”, sublinhando que os chefes de equipa que se demitiram representam “cerca de metade do total”.

Acrescentou que está “em diálogo” com os chefes de equipa demissionários “por forma a chegar a um consenso célere entre todos os intervenientes”.

Este é o terceiro caso de demissões conjuntas de médicos responsáveis por diversos serviços hospitalares, por falta de meios e de outras condições de trabalho, depois das demissões conhecidas no Hospital de Setúbal e na Urgência Metropolitana de Psiquiatria do Porto (UMPP), concentrada desde abril de 2006 no Hospital de São João.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.