O jornal The Times descreve o despedimento de 11 ministros de Theresa May como uma "tarde de carnificina" e "o mais brutal purgatório do governo na história política moderna".

O Daily Telegraph qualificou a remodelação governamental de "massacre político" e uma "transição de perder o fôlego".

Por sua vez, o Daily Mail fala de um "massacre" e um "banho de sangue de Boris", enquanto que o Daily Express afirma que o primeiro-ministro fez uma "limpeza histórica" e iniciou uma "nova era" no Reino Unido.

"Johnson implacável vinga-se" é a manchete do The Guardian, que descreve a saída de alguns dos ministros como uma "limpeza impiedosa" dos detratores, do novo primeiro-ministro, no gabinete da Sra. May.

O Financial Times considera que Boris Johnson "rasgou" o executivo anterior e colocou no seu lugar uma formação "hardcore" de ‘brexiteers', o nome dado aos defensores da saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

O novo primeiro-ministro rodeou-se sobretudo de eurocéticos convictos, a quem distribuiu as pastas mais importantes, dando um sinal de que a prioridade é sair UE a 31 de outubro, com ou sem acordo.

Entre os ministros nomeados, o ex-banqueiro Sajid Javid é ministro das Finanças, uma posição estratégica no contexto do ‘Brexit', especialmente no caso de uma saída sem acordo que pode gerar turbulência económica significativa contra a qual terão de ser lançadas medidas de estímulo.

Sajid Javid foi até agora ministro do Interior, pasta atribuída a Priti Patel, 47 anos, ultra-eurocética e antiga ministra para o Desenvolvimento Internacional que foi despedida por Theresa May em 2017 por ter encontros sem autorização com dirigentes políticos durante umas férias em Israel.

Para ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson escolheu outro eurocético, Dominic Raab, advogado de 45 anos que tem defendido a suspensão do parlamento para conseguir implementar o ‘Brexit' sem ser bloqueado pelos deputados.

Outros membros eurocéticos incluem o ministro para o ‘Brexit', Stephen Barclay, a ministra da Economia, Andrea Leadsom, a ministra do Ambiente, Theresa Villiers, e o ministro para a Escócia, Alister Jack.

Já o deputado Jacob Rees-Mogg, um eurocético que conspirou uma moção de censura interna a Theresa May e se opôs energicamente ao acordo de saída da UE negociado pelo anterior governo, vai ser Ministro dos Assuntos Parlamentares.

De fora do governo algumas das figuras mais experientes do partido, como o anterior ministro da Economia Greg Clark e o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros Jeremy Hunt, o qual terá recusado ficar com a pasta da Defesa, removida a Penny Mordaunt.

Mordaunt e o antigo ministro do Comércio Liam Fox foram dois eurocéticos afastados por terem sido leais a Theresa May e apoiantes de Hunt na eleição para a liderança do partido Conservador, que Boris Johnson ganhou.

Ainda assim, Boris Johnson manteve no executivo alguns conservadores pró-europeus, mas em pastas consideradas menos críticas para o processo do ‘Brexit', como a ministra do Trabalho, Amber Rudd, e o ministro da Saúde, Matt Hancock.

A imprensa britânica refere ainda que para assessores, Boris Johnson recrutou muitos dos operacionais da campanha "Vote Leave" [Vota Sair], que promoveu o ‘Brexit' no referendo de 2016 que ditou a saída britânica da UE, incluindo o diretor Dominic Cummings para chefe de gabinete.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.