Os dados foram avançados nas III Jornadas de Saúde de Trás-os-Montes e Alto Douro, que, durante dois dias, hoje e sexta-feira, reúnem em Bragança mais de 300 participantes de instituições de saúde e ensino dos distritos de Bragança e Vila Real.

As infeções são o tema destas jornadas em que a ULS do Nordeste, responsável pelos hospitais e centros de saúde do distrito de Bragança, deu conta dos resultados de um grupo de trabalho que, nos últimos quatro anos, conseguiu “uma redução de 50% das infeções”.

“É preciso continuar a desenvolver (este trabalho), porque até há bem pouco tempo as infeções multirresistentes eram hospitalares, mas hoje, infelizmente, já estão na comunidade: nos lares, nos cuidados continuados, em todas essas áreas e é fundamental que estes programas e estas equipas desçam também - e estão a fazê-lo - à sociedade civil na parte de esclarecimento e divulgação”, considerou Carlos Vaz.

As jornadas reservam um painel dedicado exclusivamente aos antibióticos e aberto à população “para que as pessoas entendam que só devem ser tomados quando estritamente necessário e não de modo próprio porque o nosso familiar tem, nós também tomamos”, alertou o presidente da ULS do Nordeste.

Para o resultado alcançado em Bragança contribuíram “medidas muitas vezes simples”, como os profissionais lavarem as mãos.

“É das piores maneiras de transmissão de vírus, é não levar as mãos e mudar de um doente para outro, por exemplo”, apontou.

A ULS do Nordeste implantou também programas específicos das áreas cirúrgicas, das pós-cirurgias, do acompanhamento dos próprios doentes e das medidas de contenção.

Nos últimos dois meses, foi substituído “tudo o que é material de recolha de materiais infetados”, uma indicação do grupo de trabalho e que consistiu na aquisição de novos contentores específico para este fim.

Esta problemática é “uma preocupação a nível nacional e também regional”, como indicou o presidente Administração Regional de Saúde (ARS) Norte, Pimenta Marinho, concretizando que este organismo tem também um grupo de trabalho que está a desenvolver iniciativas neste âmbito.

A presença do presidente da ARS Norte nas jornadas em Bragança serviu, como afirmou, “para sublinhar o apoio a estas regiões”.

“E mostrar que também temos confiança nestas instituições, que aqui se pratica boa medicina, boa partilha de cuidados e boa complementaridade com as diferentes instituições, mesmo longe dos grandes centros”, acrescentou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.