Em nota enviada à agência Lusa, este órgão judicial ligado ao Governo brasileiro acrescenta que o pedido de anulação da nacionalidade a Raul Schimidt, que esteve detido em Portugal e é alvo de um pedido de extradição para o Brasil, é uma “ação autónoma, com total respeito das leis e instituições portuguesas”.

Este esclarecimento da AGU surge na sequência de uma notícia da Lusa na qual o advogado Alexandre Mota Pinto, que representa Schmidt em Portugal, disse que o pedido de retirada de nacionalidade portuguesa a Raul Schmidt seria “uma tentativa de uma entidade estrangeira de pressionar instituições soberanas de outro Estado”.

Raul Schmidt é acusado de intermediar o pagamento de “luvas” a ex-diretores da Petrobras no âmbito dos casos de corrupção investigados pela Lava Jato, sendo também alvo de um processo de extradição movido pelas autoridades judiciárias brasileiras junto do Governo de Portugal.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.