O responsável disse hoje aos jornalistas que vai pedir mais tropas ao Governo federal, acrescentando que os 1.000 soldados já enviados não são suficientes para conter a onda de violência.

Os assassinatos na capital do estado, Vitória, e noutras cidades, começaram quando amigos e familiares da polícia militar bloquearam os quartéis no fim de semana para exigir melhores salários, o que impediu o patrulhamento das ruas.

A polícia militar brasileira patrulha as cidades do país e está proibida por lei de fazer greve.

André Garcia, chefe do departamento de segurança pública do Espírito Santo, disse hoje aos jornalistas que a violência diminuiu, com a chegada das primeiras tropas, mas acrescentou que gostaria de ver mais 1.000 soldados no estado.

O sindicato que representa a polícia civil disse que 87 pessoas foram assassinadas desde que a polícia parou de patrulhar as ruas, na noite de sexta-feira. O Governo do estado não divulgou um número de mortes.

Pelo menos dois autocarros foram queimados em Vitória e lojas foram saqueadas, levando seis centros comerciais a encerrar. As escolas também fecharam e os serviços médicos nos hospitais públicos também foram interrompidos.

Hoje o governador do Espírito Santo, estado no sudeste do Brasil, Paulo Hartung classificou de chantagem a paralisação dos polícias.

“O que está acontecendo no Espírito Santo é chantagem aberta”, disse o governador, que está de licença por causa de uma cirurgia mas que deve reassumir o cargo na próxima semana.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.