O objetivo destes incêndios, segundo as autoridades, foi desviar polícias militares que cercavam traficantes dentro da favela Parada de Lucas, que teriam tentado invadir uma outra comunidade chamada Cidade Alta, em Cordovil, na zona norte do Rio de Janeiro, hoje de madrugada.

As mesmas fontes adiantam que foram queimados oito autocarros e dois camiões de manhã. Os incidentes interditaram parte da Rodovia Washington Luís e a Avenida Brasil, vias de acesso que ligam áreas importantes da capital carioca, deixando também muitos motoristas em pânico.

O Centro de Operações da Prefeitura do Rio de Janeiro chegou a colocar o município em estado de pré-alerta (um ou mais incidentes estão a perturbar no mínimo uma região da cidade, podendo causar reflexos relevantes no trânsito) por volta das 10:50 da manhã (14:50 em Lisboa) devido aos incêndios, que foram considerados atos de vandalismo.

O secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, Roberto Sá, disse, numa conferência de imprensa, que a polícia já identificou alguns dos mandantes da invasão da comunidade Cidade Alta.

O mesmo responsável adiantou que a ordem de queimar os autocarros partiu de dentro da cadeia e foi cumprida por pessoas recém-saídas da prisão.

Roberto Sá também confirmou que duas pessoas morreram na operação policial que frustrou a ação dos traficantes na comunidade de Cidade Alta. Os mortos seriam criminosos ainda não identificados.

Esta operação da polícia militar do Rio de Janeiro terminou com mais de 45 presos e 32 espingardas apreendidas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.