Luís Monteiro, deputado pelo Bloco de Esquerda e cabeça de lista do partido à Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia nas eleições autárquicas, confirmou que vai abandonar a corrida devido ao caso de violência doméstica em que se encontra envolvido.

“Face ao efeito público das calúnias lançadas contra mim e após ponderação, solicitei à comissão coordenadora concelhia do Bloco de Esquerda de Vila Nova de Gaia a minha substituição como cabeça de lista à Câmara Municipal nas próximas eleições autárquicas”, pode ler-se numa nota enviada à agência Lusa.

 Após notícia avançada pelo semanário Expresso, o mesmo esclarecimento de Luís Monteiro refere que “consultada a direção do Bloco de Esquerda e com a sua concordância”, continuará a desempenhar todas as suas atuais funções, na Assembleia da República e na organização partidária, nomeadamente na direção distrital do Porto e na concelhia de Gaia.

No entanto, Luís Monteiro adiantou também que não vai integrar qualquer lista para a direção do partido na próxima Convenção do Bloco, que está marcada para o próximo fim de semana.

O caso foi espoletado após uma denúncia de Catarina Alves, ex-companheira do deputado que utilizou a rede social Twitter para expôr alegadas situações de violência doméstica perpetradas por Luís Monteiro.

“Andei a proteger o meu agressor para não perder amigos. Que grande burra. Homens ficam do lado de homens sempre. Podem chamar-lhe Luís Monteiro, a mim chamam-me louca”, pode ler-se na publicação no Twitter de Catarina Alves.

Em resposta, o deputado declarou ter considerado que chegou o momento em que não lhe é possível “continuar calado face ao que se está a passar” já que tem sido “reiteradamente confrontado com insinuações, que, entretanto, oscilam com acusações” que procuram fazer dele “um agressor”.

“Nunca agredi a mulher que diz ter sido agredida por mim. Esta costuma ser a primeira frase que os agressores usam. Vou ignorar tal facto e dizer a verdade. Nunca agredi a mulher em causa, que foi minha namorada de fevereiro a outubro de 2015, e nunca agredi qualquer mulher. Condeno qualquer ato de violência, mas sobretudo este tipo de violência”, assegurou.

O deputado adiantou mais tarde que vai apresentar queixa contra Catarina Alves. Já o Bloco de Esquerda manteve a confiança em Luís Monteiro. Numa curta posição oficial do partido enviada ao SAPO24, o BE assegurou que “mantém a mesma posição em todas as circunstâncias”.“A violência é inaceitável, as vítimas devem ser protegidas e o recurso à justiça é a forma de apurar factos e punir abusos”, defende o partido.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.