Em declarações aos jornalistas, à margem de uma ação de contacto com a população, em Loulé, Catarina Martins foi questionada sobre o facto de o governo ter decidido levar à Assembleia da República apenas no dia 12 fevereiro as medidas de apoio ao cuidador informal, após a aprovação da proposta de lei que estabelece as medidas de apoio ao cuidador informal

“Não há nenhuma razão para atrasar mais este processo, o projeto de lei do Bloco de Esquerda já está em especialidade há muitos meses, tínhamos acordado entre todos os partidos que até ao princípio da próxima semana, para fazer as votações de especialidade e termos a lei, e o estatuto, aprovados até final de fevereiro”, referiu.

A coordenadora do BE alertou ainda o governo para o facto de “só esta semana fazer as suas próprias propostas e ainda não as entregou no parlamento, estas pessoas não podem esperar mais, o senhor Presidente da República já veio apelar para que esse trabalho seja feito”, destacou.

No parlamento, está o projeto de lei do BE para criar o Estatuto do Cuidador Informal, cuja votação na especialidade está agendada para dia 21 de fevereiro.

O Governo aprovou recentemente a proposta de Lei de Bases da Saúde, mas sem reconhecer o estatuto do cuidador informal, algo que segundo a ministra da Saúde não era necessário estar contemplado na proposta.

Segundo a Associação Nacional de Cuidadores Informais, as medidas esperadas devem visar aspetos como os horários e direitos laborais a quem é cuidador mas ainda trabalha.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.