As eleições regionais de 25 de outubro de 2020 deixaram “sinais de alerta para os Açores e para todo o país”, destacou a responsável política, que falava hoje, em Ponta Delgada, no encerramento da VII Convenção Regional do Bloco de Esquerda dos Açores.

Catarina Martins reiterou a mensagem várias vezes repetida pelo coordenador regional, António Lima, dizendo que “foram os erros do Partido Socialista que fizeram o caminho da direita e o Bloco foi o partido que se opôs a um Governo de direita”.

O BE é, por isso, “hoje o partido da oposição nos Açores, porque é o partido com um projeto, porque é um partido com capacidade, é o partido que tem uma alternativa real nos Açores e que a afirma, sem medo, todos os dias”, defendeu.

A líder partidária denunciou “a normalização do discurso que num dia diz uma coisa e no outro dia diz o seu contrário”, acrescentando que “uma ‘caranguejola’ que tudo o que quer é permanecer no poder, degrada a própria vida democrática, degrada a forma como os cidadãos e as cidadãs olham para a vida política”.

“Do ponto de vista económico, das soluções para os Açores, de facto, não há nenhuma novidade, e há a permanência de um projeto monocultura, agora do turismo”, considerou.

Para Catarina Martins, o Governo de coligação PSD, CDS-PP, PPM traz “um projeto de uma economia rentista, de uns poucos grupos económicos que vivem à sombra do Governo Regional, ficando com o que é de todos, cavando, assim, as desigualdades, quando uma elite se apropria da riqueza fantástica desta região”.

“É também por isso que o Bloco nos Açores é a única oposição, porque foi sempre oposição a esta economia rentista, a esta economia de desigualdade, que faz dos Açores, sendo uma região tão rica, aquela onde há mais pobreza no nosso país”, rematou.

A VII Convenção Regional do Bloco de Esquerda dos Açores realizou-se hoje, em Ponta Delgada.

Estava inicialmente prevista para 2020, mas teve de ser adiada, devido à pandemia de covid-19. A última convenção aconteceu em julho de 2018, sob o lema "Mais Açores, Mais Esquerda"

O partido aprovou hoje, por unanimidade, a moção global "Combater as desigualdades, construir o caminho à esquerda", a única levada a votação, que tinha como primeiro subscritor António Lima.

O atual coordenador regional será reconduzido e foi também eleita a nova Comissão Coordenadora Regional, que passa de 15 para 17 membros.

Essa estrutura mantém-se praticamente inalterada, registando-se a saída do ex-deputado regional Paulo Mendes e de Vitória Fróias, e a entrada de Giuseppe Grassi, Hugo Bettencourt, João Margarido Ramos e Mário Rui Pacheco.

Em debate estiveram também moções sobre os jovens, a violência doméstica, as alterações climáticas e uma moção que apela à união e coesão no partido.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.