A mítica sala de concertos recebeu 525 mil libras (581 mil euros) de uma primeira tranche no valor de 257 milhões de libras (284 milhões de euros) destinada a quase 1.400 organizações artísticas e culturais.

A Orquestra Sinfónica de Londres ou o Finborough Theatre de Londres, uma sala com apenas 50 lugares, foram outras das instituições beneficiadas.

O dinheiro anunciado hoje é a primeira parcela de um Fundo de Recuperação de Cultura de 1,57 mil milhões de libras (1,74 mil milhões de euros) destinado a ajudar museus, galerias, teatros e salas de concertos, a grande maioria ainda fechada desde que o país entrou em confinamento, em março.

Alguns museus e teatros conseguiram reabrir com capacidade reduzida e prejuízo financeiro, mas as restrições do coronavírus tornam impossível a maioria dos espetáculos ao vivo e muitos trabalhadores ficaram de fora do regime de ‘layoff’, porque são profissionais independentes.

Julian Bird, executivo-chefe do U.K. Theatre, disse que o financiamento foi “calorosamente bem-vindo e ajudará a criar trabalho e a manter empregos”.

Mas algumas pessoas do mundo das artes expressaram indignação hoje com um anúncio sobre um programa do governo de requalificação profissional, mostrando uma jovem dançarina a atar as sapatilhas ao lado das palavras: “O próximo trabalho de Fatima pode ser na Internet (Só que ela ainda não sabe)”

O próprio ministro da Cultura, Oliver Dowden, admitiu que o anúncio, que faz parte de uma campanha que incentiva jovens de diversas origens a considerarem uma carreira em segurança informática, era “tosco” e que o governo quer salvar empregos no setor do espetáculo.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.