É uma das paisagens mais secas da Austrália e é o maior terreno de calcário do mundo. O nome da planície, Nullarbor, deriva das palavras latinas "nullus" (nada) e "arbor" (árvore). Quase sem árvores, a planície, que abrange o sul ocidental da Austrália, recebe menos de três centímetros de chuva por ano.

Mas o Nullarbor já foi diferente. Há três milhões de anos e meio, o Nullarbor foi um bosque exuberante, com vegetação densa, árvores de eucalipto, banksias e outras plantas encontradas, hoje em dia, só na costa leste da Austrália.

No entanto, descobrir este passado não foi tarefa fácil. Investigar a história climática das regiões desérticas da Austrália sempre foi um grande desafio para os cientistas, por faltarem fósseis e por ser complicado datar, com precisão, os existentes.

Porém, sempre houve um ponto assente. A data em que surgiram as áreas áridas da Austrália: há cerca de 14 milhões de anos. Para os cientistas, a aridez destas regiões desenvolveu-se em resposta ao arrefecimento da Antárctica.

O segredo estava nas cavernas

O lugar com mais calcário do mundo tem centenas de cavernas. Estas cavernas contêm coleções abundantes de estalagmites e estalactites, que são formações rochosas formadas no solo de cavidades subterrâneas pela queda lenta das águas.

Para Kale Sniderman, membro do grupo de investigação, sempre foi claro que o Nullarbor tivesse tido um passado mais húmido. O desafio era identificar quando.

Novos métodos, novos resultados

Nullarbor

Graças às novas técnicas para datar o pólen fossilizado, os cientistas de Melbourne identificaram uma transformação dramática no clima ocorrida há cerca de cinco milhões de anos.

Foi Jon Woodhead, outro membro da equipa, a desenvolver a técnica e a aperfeiçoar o método para datar as formações rochosas antigas. Até ao momento, era impossível datar formações rochosas com mais de 500 mil anos.

"Até cinco milhões de anos atrás, a região de Nullarbor teve um clima relativamente seco, mas, em seguida e de repente, a vegetação mudou", explica Snirderman.

O facto de se ter tornado numa floresta, em apenas 100 mil anos, sugere que houve uma chuva duas ou quatro vezes maior do que a atual.

Durante a "grande molha", entre cinco e 3,5 milhões de anos atrás, estima-se que a precipitação tenha aumentado para 1.220 milímetros.

Devido ao método desenvolvido por Woodhead, Sniderman conseguiu tirar conclusões sobre o pólen existente em algumas das amostras das formações rochosas.

"A maioria não continha qualquer pólen, o que não é surpreendente, pois muitas formações rochosas desenvolveram-se em cavernas que não tinham aberturas para a superfície", afirmou o professor .

"Mas algumas tinham pólen fossilizado, o que revelou a natureza da vegetação que cresceu nesses tempos", concluiu.

Uma nova perspetiva da história do clima de Nullarbor

Estas provas deram uma nova perspetiva à história do clima de Nullarbor, segundo o professor Sniderman. Para o professor Woodhead, a investigação revelou que o Nullarbor era muito mais do que o seu relevo icónico.

O professor ainda acrescentou que a investigação é um passo importante para os estudos do clima antigo em todo o mundo.

O estudo foi publicado na última edição da revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos da América.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.