Centenas de tartarugas deram à costa depois do incêndio e naufrágio de um navio na costa ocidental do Sri Lanka, conta o The Guardian. O sucedido está a ser considerado como o pior desastre marítimo causado pelo homem no país.

O MV X-Press Pearl, um porta-contentores com bandeira de Singapura, esteve em chamas durante vários dias ao largo de Colombo — o incêndio deflagrou a 20 de maio e naufrágio deu-se a 2 de junho — e foi desde cedo referida a ameaça: causar um desastre ambiental ao despejar centenas de toneladas de combustível no Oceano Índico.

O navio transportava 1.486 contentores, incluindo 25 toneladas de ácido nítrico, juntamente com outros produtos químicos e cosméticos. No total, as toxinas libertadas pelo navio mataram 176 tartarugas, 20 golfinhos e quatro baleias, disse o procurador-geral adjunto, Madawa Tennakoon, numa audiência no tribunal na quarta-feira. Imagens em vídeo e fotografias partilhadas pelos meios de comunicação mostram os animais mortos no areal, várias peças de plástico e voluntários a trabalhar para limpar o local.

"Durante a época das monções do sudoeste, as criaturas marinhas nunca morrem desta forma. A maioria destas carcaças encontra-se na costa ocidental, diretamente afetada pelo naufrágio do navio", referiu o ministro do ambiente Mahinda Amaraweera.

Até ao momento, 15 pessoas — incluindo o capitão russo do navio, Tyutkalo Vitaly — estão indicadas como arguidos no processo, considerando os danos causados. Vitaly não fez qualquer comentário ao sair do tribunal na quinta-feira após a audiência processual e foi impedido de sair do país.

Na semana passada, as autoridades informaram que tinham levantado uma proibição de pesca em partes da costa afetada pelo naufrágio, embora os peritos afirmem que ainda persistem riscos para a vida marinha decorrentes da catástrofe.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.