A rebelião aconteceu no sábado numa fábrica do grupo de Taiwan Wistron Infocomm Manufacturing, nos arredores de Bangalore.

Imagens divulgadas do local mostram janelas partidas e automóveis capotados. As câmaras de videovigilância, lâmpadas e ventiladores foram também partidos e uma viatura foi incendiada.

Os ‘media’ locais relatam que os trabalhadores reclamam que não recebem salário há quatro meses e de serem obrigados a fazerem horas suplementares.

“A situação está agora sob controlo. Equipas especiais foram criadas para investigar este incidente”, afirmou hoje à AFP a polícia local, acrescentando que não há registo de feridos.

O vice-ministro adjunto do Estado de Karnataka, C.N. Ashwathnarayan, denunciou os atos de violência gratuita e acrescentou que o assunto será esclarecido em breve.

“Vamos certificar que os direitos dos trabalhadores são protegidos e que as quantias devidas sejam pagas”, afirmou.

Por sua vez, o grupo Wistron disse à AFP que “o incidente foi causado por desconhecidos vindos de fora da fábrica”, que causaram danos, “sem se conhecer as suas intenções”.

O grupo acrescentou que se comprometeu a “seguir as leis laborais locais e todas as outras regulamentações neste domínio”, num comunicado em chinês.

Um responsável sindical local denunciou a “exploração brutal” dos operários.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.