"É um marco histórico para todos nós, é um dia importante depois de um ano tão difícil para a maioria de nós, para os portugueses, para os europeus em geral", começou por dizer Marta Temido aos jornalistas, frisando que foi "difícil lidar com tanta incerteza, com tantas circunstâncias novas".

"Abre-se agora uma janela de esperança com uma vacina que se espera que, no próximo ano, nos ajude a combater a doença sem que nos esqueçamos que ainda estamos no início do inverno", referiu a ministra da Saúde, lembrando que "ainda há um combate muito difícil para fazer".

Marta Temido disse ainda que no dia 28 chegará um reforço das doses da vacina a Portugal, para completar as 9.750 doses destinadas aos profissionais de saúde dos centros hospitalares universitários do Porto, São João, Coimbra, Lisboa Norte e Lisboa Central que hoje chegaram.

"Agora cabe a cada sistema de saúde fazer o seu trabalho e garantir a sua administração", afirmou.

Sobre o processo de entrega das vacinas, a ministra da Saúde referiu que o camião entrou na fronteira em Vilar Formoso, seguindo depois para o armazém no concelho de Montemor-o-Velho, que funciona como "o ponto central" para as vacinas, tendo sido assegurados todos os procedimentos técnicos.

Escoltada por forças de segurança, a viatura que transposta as vacinas, duas caixas que no total pesam 41 quilogramas, entrou no perímetro da unidade de armazenamento cerca das 09:45.

O processo de abertura da viatura, que estava selada, foi acompanhado no local por responsáveis do Governo, dirigidos pela ministra da Saúde, Marta Temido.

"Está previsto que agora [as vacinas] saiam daqui para os hospitais e que amanhã possam estar a ser administradas. Há um conjunto de aspectos que, até por razões de segurança, temos de manter com uma certa salvaguarda. Não estamos livres de que determinados movimentos possam acontecer", reforçou Marta Temido. Neste sido, as palavras de ordem para o processo são "cautela" e "segurança".

A ministra garantiu ainda que "até ao momento está tudo a decorrer dentro daquilo que estava previsto pela task-force".

Marta Temido adiantou ainda que amanhã o processo de vacinação vai ser acompanhado por alguns elementos do governo, sem precisar em que locais. Sobre percentagens de profissionais de saúde que queiram ser vacinados, a ministra da Saúde referiu que "as respostas foram muito rápidas e positivas", sem adiantar valores.

A campanha de vacinação contra a covid-19 arranca no domingo em Portugal, à semelhança de outros países da União Europeia, a vacina é facultativa, gratuita e universal, sendo assegurada pelo SNS.

Na última segunda-feira, a Comissão Europeia autorizou a colocação no mercado da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Pfizer e BioNTech, horas após a Agência Europeia do Medicamento (EMA) ter dado o seu parecer científico favorável.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.