Os 76.000 seguidores do WeChat de Scott Morrison foram notificados de que a sua página tinha sido renomeada "Australian Chinese new life" ("Nova vida Chinesa Australiana") no início deste mês e a fotografia do político removida, noticiou o jornal The Daily Telegraph, de Sidney.

As alterações foram feitas sem o conhecimento do Governo, acrescentou o diário.

O gabinete de Morrison recusou-se a comentar.

O Presidente do Comité Parlamentar Misto sobre Inteligência e Segurança, James Paterson, disse que o WeChat não respondeu a um pedido do Governo australiano para que a conta do primeiro-ministro fosse restaurada.

Paterson, membro do Partido Liberal conservador de Morrison, acusou o Partido Comunista Chinês de censurar o primeiro-ministro, no momento em que se aproximam as eleições australianas, previstas para maio.

Paterson apelou ainda a todos os deputados para boicotarem aquela rede social, propriedade do gigante tecnológico chinês Tencent.

"O que o Governo chinês fez ao encerrar uma conta australiana foi uma interferência estrangeira na democracia australiana num ano de eleições", disse Paterson a uma rádio de Sydney. "Nenhum político deveria estar no WeChat e legitimar a sua censura", acrescentou.

O político considerou ainda preocupante que 1,2 milhões de australianos chineses que utilizam a plataforma não pudessem aceder às notícias do primeiro-ministro, mas que ainda pudessem visualizar as críticas ao Governo feitas pelo líder da oposição Anthony Albanese.

O deputado do Partido Liberal e ex-diplomata Dave Sharma disse que a interferência foi provavelmente sancionada pelo Governo chinês.

Sharma lembrou que Morrison usou o WeChat para se ligar à diáspora chinesa da Austrália, mas que a plataforma é controlada pelo Partido Comunista Chinês.

"Mostra a atitude de Pequim para com a liberdade de expressão", disse Sharma ao canal de televisão Sky News.

Morrison tem tido uma relação tensa com a China desde que substituiu Malcolm Turnbull como primeiro-ministro em 2018.

Os chineses têm criticado uma nova parceria que envolve a Austrália, Reino Unido e Estados Unidos anunciada em setembro, ao abrigo da qual a Austrália receberá submarinos nucleares.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.