Falando aos jornalistas pouco depois de participar na cerimónia de comemoração do 1.º de Dezembro, que decorreu hoje na Praça dos Restauradores, em Lisboa, António Costa salientou que, das informações que o Governo tem recebido tanto das “autoridades sul-africanas” como “dos contactos com médicos portugueses que trabalham na África do Sul”, a variante Ómicron terá “um maior índice de transmissibilidade”, mas não tem uma “sintomatologia muito diferente das variantes anteriores”.

“As informações que têm sido recolhidas indicam uma coisa: primeiro, esta variante tem um maior índice de transmissibilidade, ou seja, é mais perigosa na transmissão, (…) [mas] não aparenta desenvolver uma sintomatologia muito diferente das variantes anteriores, ou seja, é mais transmissível mas não é necessariamente mais danosa para a saúde”, afirmou.

No entanto, o chefe do executivo salientou que é “importante” saber-se mais sobre a nova variante e frisou que, até que haja mais informação, é necessário “o máximo de cautela possível”.

“É preciso termos cautela porque ainda sabemos pouco, foi detetada há pouco tempo, portanto temos que ir aguardando a informação que as autoridades científicas vão produzindo. (…) É evidente que não nos podemos descuidar”, salientou.

No dia em que entram em vigor novas restrições para combater a pandemia, António Costa afirmou que as medidas em questão já tinham sido adotadas “antes de ter sido detetada esta variante”.

“Portanto, acho que o nível de medidas que temos adotado está perfeitamente adequado à gravidade daquilo que hoje sabemos sobre a variante”, referiu.

Costa não afasta novas medidas de combate à pandemia para o Natal

O primeiro-ministro não afastou hoje introduzir novas restrições para combater a pandemia durante a época natalícia, afirmando que é preciso “estar sempre atento” caso novas medidas venham a ser necessárias, apesar de não as desejar.

Questionado se admite restrições suplementares para o período das festas, designadamente no que se refere a restrições de viagens entre concelhos, o primeiro-ministro salientou que o país já está “há quase dois anos nesta pandemia”, tendo retirado duas lições: a necessidade de “adotar medidas o mais cedo possível e que perturbem o mínimo possível a vida das pessoas, o esforço de recuperação da economia e a proteção dos empregos das empresa”, e a necessidade de se “estar sempre atento para ter que tomar uma nova medida caso ela venha a se tornar necessária”.

“O que é que nós todos desejamos? Que ela não seja necessária. O que é que nós devemos ter presente? Que, se ela for necessária, cá estamos para adotar medidas se elas forem necessárias”, referiu.

Segundo o primeiro-ministro, “é assim que o país tem vivido nos últimos dois anos” e que conseguiu “resistir de uma forma difícil, dura para toda a gente”, mas onde os portugueses “têm sido exemplares na sua compreensão cívica” de que, em estado de pandemia, “cada um só se protege, protegendo os outros”.

Abordando as novas restrições de combate à pandemia que entram hoje em vigor em Portugal continental, o primeiro-ministro afirmou que acha que “todas as pessoas perceberam – os partidos políticos, os parceiros sociais e a sociedade em geral” que são “medidas bastante equilibradas, que procuram perturbar o mínimo possível o desenrolar de atividades”.

“Não encerrámos atividades, estabelecimentos, não limitámos horários ou lotações, agora reforçámos foi as medidas de segurança para todo estarmos seguros com essas medidas”, referiu.

Segundo o chefe do executivo, o “reforço das medidas de segurança é também uma forma de dar confiança às pessoas” de que pose “continuar a manter a normalidade da frequência das atividades em maior segurança”.

António Costa mostrou-se confiante “que os portugueses irão aderir a estas normas”, apesar de o fazerem a “contragosto”, por terem “consciência da gravidade da situação” e porque sabem que, de forma a que o país saia “mais forte desta pandemia”, é necessário que “todos adiram as normas e restrições”.

“Nesta fase, tendo em conta a evolução que acontece no conjunto da Europa, tendo em conta que há uma nova variante e que nos aproximamos cada vez mais da época do frio, que vamos estar todos mais juntos no Natal e no período das festas, é necessário reforçar as cautelas”, indicou.

Já sobre as medidas adotadas pela Suíça quanto a viajantes provenientes de Portugal - na quinta-feira, o Governo suíço passou a exigir teste negativo e quarentena a todos os cidadãos que viajem de Portugal, devido à presença em território português da variante Ómicron –, António Costa salientou que o país não gosta “quando outros países restringem o acesso a portugueses”, tal como os outros países não gostam quando o Governo adota “medidas restritivas quanto ao acesso de outros estrangeiros a Portugal”.

No entanto, o primeiro-ministro referiu que, “quando Portugal declara que teve 13 casos de infetados” com a variante Ómicron, e mesmo que se ache que o surto está “muito localizado”, “é natural que os outros países quando veem este nível de deteção de casos, adotem medidas”.

“Acho que serão medidas transitórias, provisórias, esperemos que esta variante seja efetivamente contida, que se venha a confirmar que esta variante não tem um risco para a saúde acrescido, para além do maior risco de transmissibilidade e, portanto, que tudo se venha a serenar”, indicou.

O primeiro-ministro comparou as medidas aplicadas pelo Governo suíço com as que foram tomadas a nível europeu, considerando que, inicialmente, também houve uma “grande agitação” da parte da Comissão Europeia quando a variante Ómicron foi detetada na África do Sul, desembocando na “interdição de voos da África Austral” devido à necessidade se “analisar, informar e ser previdente”.

“Se se vier a confirmar que esta variante não tem o nível de risco que se temia que tivesse, designadamente se se vier a confirmar que esta variante continua a estar coberta pelo arsenal de vacinas que está disponível, obviamente essas medidas também ao nível europeu relativamente aos voos de África irão sendo atenuadas”, indicou.

A nova variante do coronavírus SARS-CoV-2 (que provoca a covid-19), a Ómicron, foi recentemente detetada na África do Sul, tendo sido identificados, até ao momento, 13 casos desta nova estirpe em Portugal.

[Notícia atualizada às 12:20]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.