“Como esta semana foi noticiado, as autoridades moçambicanas reabriram o processo, de acordo com as diligências solicitadas pelo advogado da família. É um caso que está entregue às autoridades judiciais”, referiu Costa, questionado pelos jornalistas à margem de um encontro com empresários, em Maputo.

António Costa encontra-se em visita oficial a Moçambique durante dois dias.

O primeiro-ministro considerou que o facto de o desaparecimento já ter acontecido há dois anos, “naturalmente preocupa a todas as pessoas, do ponto de vista humano”.

“Temos de confiar que as autoridades desenvolvam o seu trabalho”, declarou.

O advogado Vicente Manjate disse na passada segunda-feira à agência Lusa que a instrução do processo, instaurado contra desconhecidos, foi reaberta após “a Procuradoria ter deferido a reclamação” da família de Américo Sebastião, para revogação do despacho de arquivamento de 23 de fevereiro último.

“A reclamação foi deferida, pois a defesa demonstrou que algumas diligências teriam sido, inexplicavelmente, preteridas e outras negligenciadas e abandonadas a meio”, afirmou Manjate.

Américo Sebastião foi raptado numa estação de abastecimento de combustíveis, em 29 de julho de 2016, em Nhamapadza, distrito de Maringué, província de Sofala, no centro do Moçambique.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.