António Costa fez estas declarações na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, à entrada para a sessão de lançamento da reedição do livro “Portugal Amordaçado”, de Mário Soares, em que também está presente o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Interrogado se, tal como Mário Soares, a quem foi diagnosticada morte política e depois foi eleito em 1986 Presidente da República, também voltará a ocupar um destacado cargo na vida pública, o líder do executivo voltou a ligar o seu futuro político à conclusão de um inquérito judicial que o envolve e que corre neste momento no Supremo Tribunal de Justiça.

O primeiro-ministro começou por apontar que essa circunstância que ocorreu com o primeiro líder e fundador do PS “acontece muitas vezes na vida política”. Depois, falou sobre a sua atual situação e o seu eventual futuro político.

“Relativamente a isso tomei a atitude que se deve tomar, quando é suscitado um problema de natureza judicial. E, portanto, aguardemos simplesmente que a justiça cumpra a sua missão. Quando a cumprir, logo veremos se ainda há tempo para a política. Logo veremos nessa altura se ainda há tempo para a política”, declarou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.