"Provavelmente, continuaremos a administrar as primeiras doses até o início de junho. A AstraZeneca será descontinuada", disse o ministro da Saúde, Wolfgang Mückstein, num programa de televisão na noite de segunda-feira no canal privado Puls 24.

Além dos persistentes atrasos nas entregas, que desencadearam a abertura pela Comissão Europeia de processos judiciais contra o laboratório sueco-britânico, o ministro destacou a relutância da população, devido aos raríssimos casos de coágulos sanguíneos que a vacina pode provocar.

A este respeito, o ministro, também médico, disse que se trata de uma "vacina segura e de elevada proteção", de acordo com o parecer da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) e da Organização Mundial (OMS), que consideram os seus benefícios superiores aos riscos.

A Áustria, onde um terço da população de 8,9 milhões já recebeu uma dose de vacina contra a covid-19, já encomendou milhões de vacinas para 2022 e 2023 e depende principalmente da BioNtech/Pfizer e Moderna, que usam tecnologia de RNA mensageiro.

A Dinamarca decidiu em meados de abril abandonar a AstraZeneca, o primeiro país da Europa a desistir, seguida em maio pela Noruega.

A maioria dos países europeus que continuam a usar a vacina limitaram a sua administração com condicionantes relacionados à idade.

Em Portugal, a administração da vacina da Astrazeneca é recomendada para as pessoas com mais de 60 anos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.