No dia anterior, o número de vítimas mortais no Brasil tinha ficado, pela primeira vez em quase 80 dias, abaixo dos 800 (786), dados que foram hoje consolidados após o fim de semana, período em que a falta de recursos humanos para testar e recolher informações influencia o número de óbitos e casos comunicados.

De acordo com o boletim epidemiológico divulgado hoje pelo Ministério da Saúde brasileiro, o país contabilizou ainda 75.445 casos positivos nas últimas 24 horas (face a 29.916 registados na segunda-feira), num total de 15.732.836 infeções pelo novo coronavírus.

Os dados confirmam o Brasil como o segundo país com mais mortos em todo o mundo, depois dos Estados Unidos da América, e como o terceiro com mais diagnósticos de infeção, atrás dos norte-americanos e da Índia.

O Brasil, com 212 milhões de habitantes, é também o segundo país com mais óbitos e casos registados nas últimas 24 horas, superado apenas pela Índia.

Apesar de os números permanecerem elevados, as mortes por covid-19 no Brasil vêm diminuindo lenta e gradualmente, após o pico da segunda vaga da pandemia no país, que foi registado em março e abril deste ano, quando a nação atingiu mais de 4.000 óbitos diários e chegou às 100.000 infeções por dia.

A taxa de incidência da covid-19 em solo brasileiro é agora de 209 mortes e 7.487 casos por 100 mil habitantes e a taxa de letalidade permanece fixada em 2,8%.

São Paulo, o estado mais rico e populoso do país, é o foco da pandemia no país desde que o primeiro caso foi registado, há cerca de 15 meses, concentrando 3.112.624 infeções e 105.105 vítimas mortais.

Os especialistas acreditam que os índices de mortalidade e contágio da doença no país sul-americano continuarão nos patamares atuais até que o Ministério da Saúde consiga avançar mais rapidamente no processo de vacinação, que decorre a um ritmo lento devido à escassez de imunizantes.

O Brasil atingiu hoje a marca de 90 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 distribuídas no país, informou o Ministério da Saúde na rede social Twitter. Contudo, desse total distribuído, cerca de 53,2 milhões de doses haviam sido aplicas até ao final do dia de segunda-feira, ainda segundo dados do executivo.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.391.849 mortos no mundo, resultantes de mais de 163,5 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.