"Estamos a acompanhar de perto a recém-emergida variante B.1.1.529, que tem numerosas mutações na proteína ‘spike’", disse a EMA numa declaração à AFP, acrescentando: "É prematuro nesta fase planear a adaptação das vacinas (...) para combater esta variante emergente".

Contudo, o regulador europeu admitiu que "se se verificar que uma nova variante mutante escapa à imunidade e se espalha rapidamente (...), tornar-se-ia relevante” uma adaptação nas vacinas atualmente licenciadas no mercado comunitário.

A tomada de posição do organismo europeu sediado em Amesterdão, nos Países Baixos, surge num momento em que vários países suspenderam ou restringiram os voos a partir da África Austral. Também a Comissão Europeia propôs hoje aos estados-membros a suspensão dos voos de e para a África Austral e outros países afetados pelo surto da nova variante.

Designada como B.1.1.529 por agora, a nova variante foi detetada na África do Sul e regista mutações múltiplas, sendo potencialmente mais contagiosa, segundo cientistas sul-africanos. Entretanto, a Bélgica foi o primeiro país europeu a anunciar hoje a deteção de um caso de infeção pelo vírus SARS-CoV-2 com a nova estirpe.

A EMA aprovou até agora quatro vacinas para adultos na UE: Pfizer-BioNTech e Moderna, que utilizam tecnologia RNA de mensageiro, e AstraZeneca e Janssen, que recorrem à tecnologia adenovírus.

O laboratório BioNTech revelou esta sexta-feira que esperava ter dados sobre a proteção da sua vacina contra a nova variante "dentro de quinze dias, o mais tardar".

A covid-19 provocou pelo menos 5.180.276 mortes em todo o mundo, entre mais de 259,46 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.