Este levantamento das restrições ocorre depois do ministério da Saúde ter anunciado nesta segunda-feira que nenhum novo caso de contaminação local foi registado pelo quinto dia consecutivo nesta metrópole de 11 milhões de habitantes.

No entanto, 39 casos importados foram relatados em toda a China.

Os moradores de Wuhan em bom estado de saúde vão agora poder começar a deslocar-se dentro da cidade e apanhar um autocarro ou o metro depois de apresentar a sua identidade, explicaram as autoridades.

Quem não se encontra infetado também vai poder retornar ao seu local de trabalho se tiver uma licença emitida pelo seu empregador. Outra novidade é que também já vai ser possível Wuhan para viajar para outras partes da província de Hubei, da qual a cidade faz parte, se se receber um teste negativo ao Covid-19 e tiver um atestado médico.

A disseminação do coronavírus nesta metrópole provocou a sua quarentena a 23 de janeiro, sendo que quase todas as outras cidades de Hubei aplicaram as mesmas medidas.  Até agora, a população estava proibida de sair dos limites do município da sua residência.

Embora o ministério da Saúde chinês tenha anunciado nesta segunda outras nove mortes adicionais na China - todas em Wuhan -, o número de contaminações caiu muito claramente nas últimas semanas. A maioria dos casos agora é de pessoas que chegam do exterior.

Com um total de 81.093 casos e 3.270 mortes registradas oficialmente, a China é hoje o segundo país mais afetado no mundo pela pandemia, depois da Itália.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, matou 15.189 pessoas em todo o mundo desde que surgiu em dezembro, a maioria na Europa (9.197).

Foram registados mais de 341.300 casos de infeção em mais de 174 países e territórios desde o início da epidemia.

Com 5.476 mortes, a Itália é o país mais afetado à frente da China (3.270), foco inicial do contágio, e Espanha (2.182).

Com 1.395 novas mortes nas últimas 24 horas, num total de 172.238 casos oficialmente diagnosticados, a Europa também é o continente onde a pandemia está a progredir mais rapidamente.

 A Itália, que registou a primeira morte ligada ao coronavírus no final de fevereiro, registou 5.476 mortos em 59.138 casos. 7.024 pessoas foram consideradas curadas pelas autoridades italianas.

A China (sem os territórios de Hong Kong e Macau), onde a epidemia começou no final de dezembro, contabilizou um total de 81.093 casos (39 novos entre domingo e hoje), incluindo 3.270 mortes (nove novas) e 72.703 curados.

Os países mais afetados depois da Itália e da China são Espanha, com 2.182 mortes para 33.089 casos, o Irão com 1.812 mortes (23.049 casos), França com 674 mortes (16.018 casos) e Estados Unidos com 471 mortos (35.224 casos).

Desde as 19:00 de domingo, a República Checa, a Nigéria e Montenegro anunciaram as primeiras mortes relacionadas com o vírus e a Papua Nova Guiné e a Síria registaram os primeiros casos.

A Europa totalizou até às 11:00 de hoje 172.238 casos (9.197 mortes), Ásia 97.783 casos (3.539 mortes), Estados Unidos e Canadá 36.554 casos (490 mortes), Médio Oriente 26.688 casos (1.841 mortes), América Latina e Caraíbas 5.130 casos (65 mortes), África 1.479 casos (49 mortes) e Oceânia 1.433 casos (oito mortes).

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.