De acordo com a informação divulgada hoje pelo Ministério da Administração Interna (MAI), as autoridades detiveram 74 cidadãos por desobediência, das quais 21 foram detidas por “desobediência à obrigação de confinamento obrigatório”, 32 por desobediência ao “dever geral de recolhimento obrigatório” e 11 por violarem a cerca sanitária de Ovar.

Também foram detidas nove pessoas por desobedecerem ao encerramento de estabelecimentos e uma por resistência às autoridades.

Estas detenções foram registadas desde a renovação do estado de emergência, em vigor desde as 00:00 de 03 de abril, decretado por causa da pandemia da doença provocada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2) e até às 17:00 de hoje.

O MAI acrescenta que durante este período foram encerrados 248 estabelecimentos por “incumprimentos das normas estabelecidas”.

A tutela lembra que durante o estado de emergência que vigorou entre 22 de março e 02 de abril registaram-se “108 detenções por crime de desobediência e foram encerrados 1.708 estabelecimentos comerciais”.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 96 mil mortos e infetou quase 1,6 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 435 mortos, mais 29 do que na véspera (+6,4%), e 15.472 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 1.516 em relação a quarta-feira (+10,9%).

Dos infetados, 1.179 estão internados, 226 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 233 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril, depois do prolongamento aprovado no dia 02 de abril na Assembleia da República.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.