A aparente calma que se observa no exterior do polo de Lisboa do Hospital das Forças Armadas (HFAR), no Lumiar, comparada à azáfama de outros hospitais do país com filas de ambulâncias à porta, é apenas isso: aparente.

Em poucos dias, o HFAR aumentou a sua capacidade de resposta com mais 140 camas, nomeadamente para doentes covid-19, contabilizando atualmente um total de 197 camas de enfermaria e 15 de cuidados intensivos, já parcialmente ocupadas com 106 nas primeiras e 8 doentes em situação mais crítica.

“Claro que o hospital não dispunha de espaço para 140 camas em enfermarias convencionais, não estava dimensionado para isso e isso naturalmente levou a uma reconversão de espaços e à utilização de espaços que tinham outros fins”, explicou à Lusa o Brigadeiro-General Rui Sousa, diretor do HFAR.

Entre esses espaços reconvertidos e agora ‘artilhados’ com camas e equipamento médico estão antigos gabinetes para consultas, átrios, salas de espera mas não só.

O maior espaço a ser reconvertido foi o refeitório: onde antes se ouviam tachos e talheres, agora ouve-se o arrastar de camas, o martelar das máquinas, o raspar do cimento nas paredes e o erguer de divisórias, entre pessoal militar e civil, que tenta tornar este espaço o mais acolhedor possível para futuros doentes.

Apesar das mudanças, os profissionais que trabalham neste hospital não ficaram sem espaço de refeições, almoçando agora numa tenda montada no exterior e alguns gabinetes para consultas também foram repostos noutros locais.

“Estamos certos de que temos as condições, ainda que não as ideais, mas nesta altura também provavelmente ninguém está à espera das condições ideais, mas as suficientes para tratarmos bem os doentes que nos forem confiados”, adiantou o Rui Sousa, sublinhando que todos os espaços respeitaram aquilo que são as regras para enfermarias destinadas a albergar pacientes com doenças infeciosas e contagiosas.

Na reconversão do espaço, que deverá estar finalizado esta sexta-feira, ajustam-se os últimos pormenores e asseguram-se as precauções necessárias ao trabalho hospitalar, como as “áreas de sujos e áreas de limpos” ou até os circuitos de circulação de pessoal, tudo é pensado ao pormenor.

Mas como não é apenas de camas ou máquinas que sobrevive um hospital, o HFAR teve também de reforçar os seus recursos humanos, mais concretamente com 400 profissionais provenientes dos três ramos das Forças Armadas.

“O hospital em si já tinha profissionais civis como sempre teve e continuará a ter, mas esses já cá estavam. Os nossos reforços, aqueles que vêm de fora, são militares, militares profissionais de saúde e não só: estamos a falar de médicos militares, enfermeiros militares, socorristas mas também pessoal de apoio porque esta casa, com esta dimensão acrescida, vai implicar a necessidade de apoio extra e para isso contamos com militares que vêm ajudar-nos na alimentação, na lavandaria, na condução de ambulâncias”, adiantou o brigadeiro-general.

“Em rigor”, completou, esta “não é uma missão exclusivamente do Hospital, é uma missão das Forças Armadas no seu conjunto, é uma missão também da Marinha, é uma missão também do Exército, é uma missão também da Força Aérea”.

O diretor prevê que todas estas mudanças tragam consigo um “encargo volumoso”, sem conseguir para já quantificá-lo, uma vez que ainda estão a ser adquiridos materiais e equipamentos, contando, contudo, com a “solidariedade” das Forças Armadas para suportar as despesas.

Desde o início da pandemia em Portugal, o Hospital das Forças Armadas já recebeu mais 750 doentes covid-19, provenientes do Serviço Nacional de Saúde, tendo ajudado recentemente o Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra) depois de uma falha na rede de oxigénio.

Na sua primeira iniciativa pública após ter sido reeleito Presidente da República no domingo, ao lado do primeiro-ministro, membros do governo e Forças Armadas, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que há “total união” no combate à covid-19 e elogiou o trabalho desenvolvido pelos militares neste campo.

“Em tempo de pandemia tem sido extraordinário o papel das nossa Forças Armadas, todas elas, e a todas se dirige a nossa, a minha gratidão como Comandante Supremo”, declarou Marcelo, no refeitório ainda por transformar que a Lusa visitou.

Desde março de 2020, as Forças Armadas têm auxiliado o Serviço Nacional de Saúde em várias frentes. Para além das camas e doentes tratados no Hospital Militar e no Centro de Apoio Militar à COVID-19, desenvolveram ações de formação, fizeram a desinfeção de espaços como escolas e lares, produziram álcool-gel no Laboratório Militar, disponibilizaram instalações para quem não conseguisse fazer quarentena em casa, tendo até apostado em projetos inovadores como um protótipo de uma máquina de descontaminação de máscaras de proteção respiratória, entre outros exemplos.

As Forças Armadas estão também envolvidas no planeamento e logística da distribuição de vacinas no país, contando com uma representação na sala de situação no ministério da Saúde, que reúne várias entidades, oferecendo as suas competências na atuação em ambientes de incerteza, stress e com elevada complexidade.

Portugal registou na quarta-feira 293 mortos relacionados com a covid-19, um novo máximo diário desde o início da pandemia, e 15.073 novos casos de infeção com o novo coronavirus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

O boletim epidemiológico de quarta-feira revelou também que estão internadas 6.603 pessoas, mais 131 em relação a terça-feira, o que representa um máximo diário de internamentos, das quais 783 em unidades de cuidados intensivos (mais 18 nas últimas 24 horas).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.