A sequenciação dos três genomas já permitiu aos cientistas concluírem que a taxa estimada a que o SARS-Cov-2 adquire mutações genéticas (alterações no material genético) é de 25 mutações por ano.

Em declarações à Lusa, a investigadora Isabel Gordo, que lidera o laboratório de Biologia Evolutiva do IGC, salientou que "é um bom sinal", atendendo a que o vírus da gripe sazonal adquire 50 mutações por ano, obrigando à produção de novas vacinas todos os anos.

É numa vacina que cientistas e farmacêuticas estão a trabalhar para prevenir a covid-19.

Nos próximos três meses, o IGC espera sequenciar cerca de 2.000 genomas do novo coronavírus, na origem da doença respiratória aguda covid-19, a partir de amostras recolhidas de doentes dos hospitais Fernando Fonseca, na Amadora, São Francisco Xavier e Egas Moniz, ambos em Lisboa.

Os três primeiros genomas do SARS-Cov-2 em circulação em Portugal foram sequenciados em seis horas graças a uma tecnologia de sequenciação mais rápida, tendo sido comparados com outros genomas do coronavírus.

"Ao todo, há 4.279 genomas sequenciados a nível internacional", refere o IGC em comunicado.

Os genomas sequenciados pelo IGC pertencem a dois dos 10 grupos de SARS-Cov-2 identificados com "características moleculares semelhantes" e, portanto, com "uma relação genética de maior proximidade", segundo Isabel Gordo.

"Até à data, não há nenhuma indicação de que os genomas dos vírus em Portugal sigam um padrão diferente do observado no resto do mundo. Aliás, a acumulação de mutações no tempo é o esperado numa situação em que um novo vírus se espalha numa população de hospedeiros suscetíveis", afirma a cientista, citada pelo comunicado do IGC.

À Lusa, Isabel Gordo disse que a sequenciação dos genomas do coronavírus será importante para identificar a mutação que ocorre no gene que codifica uma proteína à superfície do SARS-Cov-2 (a proteína da espícula) que se liga a uma enzima (substância proteica) da superfície das células humanas, a ACE2, que é a porta de entrada do vírus no organismo.

De acordo com Isabel Gordo, ao se perceber a alteração que ocorre no gene que codifica a proteína da espícula do novo coronavírus, será possível compreender como essa mutação influencia o funcionamento do SARS-Cov-2 e este infeta as pessoas.

A descodificação deste mecanismo é, para a investigadora, importante para a produção de uma vacina ou de um tratamento antiviral eficaz, que bloqueie esta proteína.

Depois do trabalho da sequenciação de genomas do SARS-Cov-2, os investigadores do IGC irão infetar linhas celulares produzidas em laboratório para verificar se o coronavírus se comporta da mesma maneira ou se há alterações na proteína-chave.

Posteriormente, usando ratinhos como modelo, vão estudar, de forma controlada, como o SARS-Cov-2 se comporta num organismo vivo e analisar a resposta do sistema imunitário, que é ainda uma incógnita.

Citado no mesmo comunicado, o coordenador da Unidade Genómica do IGC, Ricardo Leite, realça que a sequenciação dos genomas do coronavírus permite monitorizar a cadeia de propagação desta família de vírus.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 75 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 290 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declará-lo como uma pandemia.

Portugal, em estado de emergência até 17 de abril, regista 345 mortes e 12.442 infeções, segundo o balanço mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Das pessoas infetadas, 1.180 estão internadas, 271 das quais em unidades de cuidados intensivos, havendo 184 doentes que recuperaram desde que a doença foi confirmada no país, em 02 de março.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.