“Em campanhas de vacinação é rotineiro assinalar potenciais eventos adversos, mas isso não significa que esses eventos estejam ligados às vacinas”, afirmou em conferência de imprensa virtual o diretor do departamento europeu da OMS Europa, Hans Kluge, comentando a suspensão da aplicação da vacina da Astrazeneca em vários países europeus, incluindo Portugal.

“Nesta altura, os benefícios da vacina da Astrazeneca ultrapassam muito os seus riscos e a sua utilização deve continuar para salvar vidas”, apelou.

Hans Kluge considerou que “a deteção, investigação e avaliação” da ocorrência de algumas dezenas de “problemas raros de coagulação sanguínea” demonstram que há “fortes mecanismos de vigilância e regulação”.

O responsável europeu da OMS salientou que “o embolismo trombovenoso é a terceira doença cardiovascular mais comum no mundo e acontece na população quer esteja ou não vacinada”.

Kluge reconheceu que ainda não se sabe se “alguns ou todos os problemas [de tromboembolismo venoso registado em algumas dezenas de pessoas na Europa] foram causados pela vacina ou por outros fatores coincidentes”.

“A OMS está a avaliar os mais recentes dados de segurança e, quando completados, os resultados serão publicados”, garantiu.

Referiu que as disparidades no acesso a vacinas nos 53 países da região europeia da OMS estão a diminuir mas que “a desigualdade persiste”: enquanto “todos os países de alto rendimento começaram a vacinar, apenas 60 por cento dos países de rendimento médio e baixo o fizeram”.

Até agora, foram administradas na região europeia 107 milhões de doses de vacina e “03% da população em 45 países recebeu uma série completa de vacina”.

Em 23 países, pelo menos “51% dos profissionais de saúde recebeu pelo menos uma dose”.

Um ano depois da declaração de pandemia, verifica-se agora um aumento “agudo em regiões que controlaram a doença com sucesso nos primeiros seus meses: a Europa central, Balcãs e estados do Báltico, onde a incidência de casos, hospitalizações e mortes estão agora entre as mais elevadas do mundo”.

“O perigo ainda está claramente presente”, declarou Hans Kluge, notando que há um aumento de casos há três semanas consecutivas e que na última semana foram detetados 1,2 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus.

Em 48 países, a variante do SARS-CoV-2 conhecida como B117, mais contagiosa e detetada pela primeira vez no Reino Unido, está a tornar-se “gradualmente predominante”.

Apesar disso, vários países “incluindo a Dinamarca, Irlanda, Portugal, Espanha e Reino Unido reduziram rapidamente a transmissão como medidas sociais e de saúde pública para níveis que podem e devem ser mantidos baixos”, referiu.

[Notícia atualizada às 12.27]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.