Questionado sobre a posição de Bolsonaro, que decidiu não seguir as recomendações de isolamento e saiu à rua este domingo para visitar lojas e falar com apoiantes em Brasília, Fernández declarou hoje a uma rádio de Buenos Aires: “É claro, complica, e lamento muito que a seriedade do problema não seja entendida.”

“Isso preocupa-me muito”, enfatizou o Presidente argentino, que revelou que discutiu o assunto com o chefe de Estado mexicano, Andrés Manuel López Obrador.

“Outro dia, conversando com Andrés Manuel López Obrador, falei com ele que esse problema tinha que ser levado muito a sério e falei com ele sobre a minha preocupação com o Brasil, porque o Brasil, por sua vez, representa 70% do produto bruto da América do Sul e é o nosso principal parceiro económico”, disse Fernández.

“A verdade é que se teme que, com essa lógica, ele entre na mesma espiral em que a Itália ou os Estados Unidos entraram, que colocaram a quarentena quando já era tarde demais”, acrescentou.

O Presidente argentino afirmou que López Obrador entendeu a gravidade do problema representado pela pandemia da covid-19, apesar de inicialmente ter chamado a população a não se abrigar em suas casas e sair normalmente às ruas.

O número de mortos no Brasil devido ao novo coronavírus aumentou para 136 e o país registou 4.256 infetados no domingo, segundo o Ministério da Saúde.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 727 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 35 mil.

Dos casos de infeção, pelo menos 142.300 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.