“Quando há um governo que assenta toda a sua estratégia orçamental num crescimento económico que não acontece porque a receita para que viesse acontecer está profundamente errada, e a prova é que nós temos um crescimento de 0,9 quando a promessa era de 2,4 por cento depois, evidentemente, falta dinheiro para os serviços públicos”, disse Assunção Cristas.

“Assistimos há muitos meses ao fenómeno das cativações em força, isso significa que nos serviços públicos falta dinheiro”, concluiu, referindo que o dinheiro nem sequer chegou a entrar nos cofres do Estado porque não houve receita fiscal para fazer face ao que estava no Orçamento.

“Isto quer dizer que falta dinheiro nas escolas, falta dinheiro nos hospitais, nas universidades, nas polícias”, enumerou.

A presidente do CDS-PP falava aos jornalistas sobre as preocupações de hoje do Conselho de Finanças Públicas que avisou que a execução orçamental dos últimos três meses do ano será exigente, devido ao impacto no défice de medidas que entraram em vigor durante o segundo semestre, e pediu prudência.

Assunção Cristas está hoje na ilha de São Miguel a participar em ações de campanha para as eleições regionais de domingo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.