A renúncia de Lucía Hiriart é "indeclinável" e foi apresentada numa ata da direcção do Cema, que imediatamente procedeu à eleição de uma presidente interina, segundo declarações de fontes da associação publicadas neste sábado pelo jornal El Mercurio.

A renúncia da viúva de Pinochet a esta fundação, criada pela ditadura liderada por seu marido (1973-1990), ocorre quatro meses depois da justiça anunciar a reabertura das investigações por má utilização de verbas públicas e face à suposta venda ilegal de imóveis com que Hiriart teria recebido cerca de 6,3 mil milhões de pesos (8,8 milhões de dólares).

"A eventual renúncia de Lucía Hiriart à presidência da fundação Cema Chile depois de quase 43 anos é um efeito da investigação que o Ministério de Bens Nacionais promoveu para conseguir a restituição ao fisco das propriedades entregues gratuitamente a tal entidade", declarou Víctor Osorio, ministro de Bens Nacionais.

O ministério argumenta que a Cema recebeu gratuitamente 134 imóveis durante a ditadura de Pinochet e que alguns deles foram vendidos a terceiros em diferentes zonas do país. Não existe qualquer registo desses imóveis nem dos montantes de dinheiro recebidos com a sua venda. 

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.