"Não tem qualquer fundamento" essa acusação, disse à agência Lusa o diretor-geral da Saúde, Francisco George.

O responsável adiantou que no dia 23 de junho se encontrou com o bastonário e com representantes do Centro, Sul e Norte da Ordem dos Médicos, iniciando "um processo de diálogo" sobre diversas matérias, entre elas as vacinas.

Ordem dos Médicos acusa Direção-geral da Saúde de ter pessoas ligadas a associações anti-vacinas
Ordem dos Médicos acusa Direção-geral da Saúde de ter pessoas ligadas a associações anti-vacinas
Ver artigo

Numa entrevista à agência Lusa divulgada hoje, o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, acusou a DGS de ter a trabalhar pessoas ligadas a associações que são contra a vacinação quando este organismo tem a obrigação de defender a saúde pública e de recomendar fortemente as vacinas.

Ouvido hoje pela Lusa, Francisco George disse que o processo de diálogo iniciado a 23 de junho decorreu "de forma tranquila", ainda não terminou e "aparentemente não há divisões de fundo".

Recentemente relançou-se em Portugal um debate sobre a importância da vacinação, depois de um surto de casos de sarampo, maioritariamente em pessoas não vacinadas, e que acabou por provocar a morte a uma jovem de 17 anos.

Na entrevista à Lusa, o bastonário defendeu ainda que o Governo já devia ter apresentado queixa no Ministério Público contra associações que fazem publicidade contrária às vacinas.

“Está a acontecer um fenómeno sobre o qual o Governo nada está a fazer, que é a publicidade que está a ser feita sobre a questão da vacinação por algumas instituições. Não podemos aceitar que, por exemplo, a chamada Sociedade Portuguesa de Homeopatia passe a mensagem para os portugueses de que as vacinas são más. E estou a ser simpático, porque o que dizem sobre vacinas é absolutamente pavoroso”, afirmou o bastonário.

Segundo Miguel Guimarães, a Ordem pode mesmo, “num futuro muito curto”, equacionar a parceria que tem com a DGS em relação à elaboração de normas de orientação clínica, recomendações que funcionam como instrumentos de apoio à decisão clínica.

“Temos uma parceria com a DGS para as normas de orientação clínica. Não sei se esta parceria deve ou não manter-se. Pode ser perfeitamente a Ordem a fazer as recomendações clínicas”, avisa Miguel Guimarães.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.