Segundo João Paulo Ribeiro, presidente da Associação de Criadores de Equinos de Raça Garrana, os animais terão sido abatidos durante a última noite.

“A fêmea estava prenha e, com as dores, acabou por abortar”, acrescentou.

Apresentava duas balas, uma na cabeça e outra na zona lombar. O macho tinha uma bala na zona lombar.

“Estou convicto de que se tratou de um ato de pura maldade, de alguém que teria participado, durante a noite, numa espera ao javali. Como não encontraram javalis, ter-se-ão ‘divertido’ a matar garranos”, referiu João Paulo Ribeiro.

Sublinhou que as “esperas ao javali” são ilegais, mas realizam-se com alguma regularidade.

“A carne de javali vende-se com facilidade”, explicou.

Os garranos abatidos tinham a “marca a fogo” e microchip, pertencendo a criadores da Caniçada (o macho) e Cantelães (a fêmea).

Aquela é uma espécie protegida, face ao risco de extinção.

Contactada pela Lusa, fonte da GNR disse que o caso está em investigação.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.