O caso já andava no tribunal. Philippe Maestracci, empresário agrícola, 71 anos, neto de um antiquário judeu havia acusado a família Nahmad, em 2011, de possuir de forma ilegal o quadro de Amedeo Modigliani. A família Nahmad, influente no mercado da arte mundial, negou sempre possuir a obra em causa do pintor italiano, “O Homem Sentado com uma Bengala”.

De acordo com a BBC, a família Nahmad negou ter o quadro e, em tribunal, afirmou que o quadro era propriedade da empresa offshore International Art Center (IAC), registada por uma firma de advogados do Panamá. Agora, os ficheiros obtidos pelo Consórcio Internacional de Jornalistas (ICIJ) mostram que a empresa pertence à família há mais de 20 anos. E, desde janeiro de 2014, David Nahmad é o único proprietário.

Confrontado com a documentação, o advogado de David Nahmad, Richard Golub, desvalorizou a descoberta e afirmou que é “irrelevante quem quer que seja o dono do IAC”. Para o advogado, o mais importante são os pressupostos que o caso levanta. “O queixoso pode prová-los?”, questiona. No fundo, Golub quer provas. Provas de que o avó de Maestracci foi mesmo dono da pintura. Até lá, considera que tudo à volta é "irrelevante".

Durante a II Guerra Mundial, o avó de Maestracci, Oscar Stettiner, terá fugido de Paris e deixado para trás a sua colecção de arte, que incluia o quadro de Modigliani.  Em 1944 há registo da notícia da venda de “um quadro de Modigliani” por 16 mil francos (3600 euros), segundo o Le Monde.

Dois anos depois, Stettiner tenta recuperar a obra. O comerciante de antiguidades indica que terá sido um galerista chamado John Van der Klip a comprar o quadro. Van der Klip, por seu lado, confirma que comprou a obra e revela que a vendeu a um norte-americano em 1947. Oscar Stettiner morre em 1948 sem reencontrar o o seu Modigliani .  

Segundo o Público, a família não teve qualquer sinal da obra até 2008, altura em que aparece na Sotheby’s, uma casa de leilões, em Nova Iorque. É aí que Philippe Maestracci entrou em cena. O neto de Oscar procurou reaver o quadro começando uma batalha que pode agora estar com os dias contados.

Até à data, ninguém admitiu possuir a obra. A leiloeira disse que a obra lhe tinha sido concessiondada pela Helly Nahmad Gallery, que negava ser a dona do quadro. A família Nahmad tem uma colecção de cerca de 4500 peças num armazém situado junto ao aeroporto de Genebra, zona isenta de taxas aduaneiras e onde se encontra também o quadro de Modigliani. A colecção dos irmãos Ezra e David Nahmad inclui ainda 300 Picassos.

Os Nahmad haviam afirmado que a obra pertencia à empresa IAC.  Visto que os donos da IAC se encontravam alegadamente no Panamá, a justiça norte-americana encontrava-se de mão atadas.
Agora, os Panama Press identificaram os Nahmad como sendo efectivamente os donos.  Resta saber a decisão da justiça. Até lá, o valor do quadro continuará a subir.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.