“‘Mais do que nunca um fiel amigo’, acho que foi isto que o João Ribeiro escreveu no Instagram dele e mostrava o sabonete no barco”, contou o mentor da ideia, André Santos, referindo-se à publicação na rede social do canoísta da seleção nacional, 20 vezes campeão nacional.

André Santos relatava à Lusa qual foi a primeira reação, de que teve conhecimento, do novo produto que a Nelo colocou no mercado, juntamente com a Ach Brito, há sensivelmente uma semana.

“Tem tido uma adesão engraçada e é o conjugar de duas marcas portuguesas de Vila do Conde e acho que vamos conseguir ter aqui um produto que é também uma imagem de Portugal”, considerou o responsável.

A primeira encomenda foi de 500 sabonetes, que estão a ser comercializados, somente, pelos canais oficiais da empresa e, como “a procura está a surpreender”, uma vez que “achava que as pessoas não estariam dispostas a pagar por este produto”, já admite que “está pensada uma próxima encomenda de 1.500″.

“O sabonete tem a principal função de desengordurar as mãos do atleta para uma maior tração à pagaia e tem uma forma de se encaixar no próprio barco que é a grande vantagem e também daí a importância da dimensão”, explicou.

Nesse sentido, “a Ach Brito fez um sabonete à dimensão idealizada” pela Nelo, ou seja, “tem de ser grande o suficiente para esfregar as duas mãos ao mesmo tempo, mas tem de ser pequeno o suficiente para ir dentro do barco sem incomodar o atleta”.

“A necessidade premente de os atletas terem as mãos completamente desengorduradas quando iniciam um treino ou uma prova, seja em competição ou não, tem-nos feito pensar ao longo dos anos em arranjar uma solução”, contou à Lusa o diretor executivo da empresa de produtos de canoagem.

André Santos admitiu que, “desde que a moda dos sabonetes nas plataformas das provas pegou, há 10, 12 anos”, a Nelo se começou a questionar do que poderia fazer para “ajudar os atletas, mas acabar com aqueles sabonetes que todos usavam e que acabavam por ficar espalhados nas plataformas”.

Tendo em conta que a empresa se dedica a produtos ligados à canoagem e não tanto à higiene pessoal, “a oportunidade surgiu antes do Natal passado, numa conversa informal com a Ach Brito, curiosamente, uma empresa geograficamente próxima da Nelo”, uma vez que ambas têm sede em Vila do Conde, no distrito do Porto.

“A Ach Brito, que é uma referência nacional no sabonete e no produto nacional e original, e a ideia foi eles desenvolverem um sabonete que fosse ao encontro dessa necessidade de desengordurar completamente as mãos num tamanho específico”, explicou André Santos.

Do lado da Nelo, ficou a responsabilidade de “desenvolver uma solução que permitisse o transporte e o acomodar dentro da embarcação para que o atleta o tivesse sempre com ele e o pudesse utilizar e voltar a colocar no barco e no dia a seguir voltar a usar sem o perder e sem grandes desperdícios, uma vez que está em contacto constante com a água”.

Uma parceria “muito bem acolhida” pela Ach Brito, admitiu o ponto de ligação no projeto, uma vez que é uma empresa portuguesa “a trabalhar preferencialmente com fornecedores portugueses e parceiros portugueses e foi nesse sentido que o desafio cresceu entre estas duas empresas de renome, até internacional”.

“São duas entidades profissionais e boas naquilo que fazem que podem estar agrupadas e levarem um bocadinho mais além a portugalidade e foi um nesse sentido que tentámos concretizar este projeto”, contou Catarina Carvalho.

Uma produção que “não foi difícil, porque a Ach Brito já tem esse sabonete mais técnico”, mas que obrigou à “adaptação de material antigo da empresa, com a reativação de equipamento que já estava parado, para o adaptar às exigências da Nelo”.

“Um processo um pouco complexo, porque foi muito manual. É uma cunhagem feita um a um, é uma máquina já bastante antiga que temos, mas era algo que seria possível realizar, por termos instrumentos para isso. É um bocadinho um sabonete personalizado, quase como se fosse um produto exclusivo”, descreveu Catarina Carvalho.

Ainda só com venda através da Nelo, o sabonete pode ser alvo de “uma produção contínua”, atendendo que “a ideia inicial era ter o sabonete pronto antes dos Jogos Olímpicos Tóquio2020″, que foram adiados para 2021, devido à pandemia de covid-19.

“Aliás, até parece que foi pensado por causa da pandemia, mas não, isso acaba por ser uma espécie de bónus, porque o sabonete dá outra segurança ao atleta que, frequentemente, leva as mãos à cara, seja aos óculos ou a limpar o suor e, nesta altura de pandemia, com este sabonete, também tem a garantia de que as mãos estão bem desinfetadas”, rematou André Santos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.