Segundo nota do gabinete de imprensa da PGR, o inquérito 'E-Toupeira' apurou que foram, designadamente, usadas credenciais informáticas de uma magistrada do Ministério Público que, neste momento, se encontra colocada na coadjuvação da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), mas que "tal utilização efetuou-se sem o conhecimento ou consentimento da titular das credenciais, a qual, sendo completamente alheia ao sucedido, não é, nem nunca foi, suspeita ou visada na investigação em curso".

Em causa está a utilização de credenciais alheias para aceder à aplicação Citius e, desta forma, recolher informação relacionada com processos, designadamente envolvendo o Sport Lisboa e Benfica.

O inquérito, dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, tem por objeto factos suscetíveis de integrarem crimes de corrupção, peculato, violação do segredo de justiça, favorecimento pessoal, falsidade informática, acesso ilegítimo e burla informática, indica o mesmo comunicado.

A PGR lembra que na sequência das detenções efetuadas, na quarta-feira foram apresentados a primeiro interrogatório judicial dois arguidos, tendo a juíza de Instrução Criminal decidido aplicar a um dos arguidos a medida de coação de prisão preventiva. O outro ficou sujeito a proibição de contactos com os restantes arguidos.

A prisão preventiva foi aplicada ao funcionário judicial do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça (IGFEJ) José Silva, tendo o assessor jurídico do Benfica Paulo Gonçalves sido colocado em liberdade, mas sujeito à proibição de contactar os outros arguidos.

Nesta investigação, o Ministério Público é coadjuvado pela Polícia Judiciária e tem a colaboração do IGFEJ.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.