O roubo aconteceu a 5 de junho e o grupo criminoso usou guindastes e outros veículos pesados durante oito a dez horas para movimentar os contentores, disse à imprensa Gustavo Adrián Joya, porta-voz da Secretaria de Segurança do estado de Colima, onde fica Manzanillo.

"Vários contentores foram abertos e, no entanto, as mercadorias ficaram no local. Os assaltantes foram muito seletivos no tipo de mercadoria que roubaram: metais preciosos e acessórios, como aparelhos de ar condicionado", acrescentou Adrián.

Os guardas de segurança do local, uma área de uma empresa privada em que não há intervenção das autoridades da Alfândega, foram dominados pelos assaltantes, que portavam armas pesadas.

"É inédito, nunca tinha ocorrido uma situação desta natureza, já tinha acontecido o roubo esporádico de algum contentor mas não a quantidade que aconteceu nesta ocasião", acrescentou Joya.

Horacio Duarte Olivares, secretário da Alfândega nacional, disse que a área onde aconteceu o roubo não está sob responsabilidade da Marinha, que atua na segurança dos portos. "Não é um espaço público (...) vamos esperar pelas investigações", declarou.

O MP de Colima iniciou uma investigação, mas recusou-se a revelar detalhes sobre a quantidade roubada, que segundo a imprensa local pode alcançar toneladas de produtos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.